16 famílias de venezuelanos são recebidas em Goioerê

(Foto: divulgação)

Já estão em Goioerê, no noroeste do Paraná, os 61 venezuelanos que chegaram ao estado em um avião da Força Aérea Brasileira. Após desembarcarem no aeroporto Afonso Pena, na Grande Curitiba, na noite dessa quinta-feira (30), eles jantaram e seguiram de ônibus à cidade do interior paranaense.

Lá, eles foram alojados nas aldeias da Organização Humanitária Global Aldeias Infantis SOS Brasil, que ajuda famílias e crianças carentes. E a expectativa agora é de dias um pouco melhores, segundo Michele Vargas Hernandez.

Ao todo, são 16 famílias que chegaram ao Paraná por meio de um acordo entre os governos federal, estadual e municipal, a SOS Brasil e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, que é um braço da ONU. São venezuelanos que aceitaram participar da interiorização e, por isso, foram vacinados, submetidos a exames de saúde e regularizados no Brasil com CPF e Carteira de Trabalho.

Michele conta que ela e o marido não deixaram rastros no país natal e que a filha pequena até já se considera brasileira.

Os refugiados estão alocados em uma chácara com seis residências. Cada uma dessas casas agora abriga duas famílias e, a princípio, a estadia prevista é de seis meses, conforme Sérgio Marques, sub-gestor nacional da entidade.

Esta é a primeira vez que o município de quase 30 mil habitantes recebe um fluxo migratório como esse. Daqui a três meses, os venezuelanos devem ser avaliados com a intenção de identificar se eles estão em condições de sobreviver de forma autônoma. Passado esse prazo, as famílias é que vão decidir se permanecem na cidade, se seguem para outras regiões ou retornam para o país de origem.

Este foi o oitavo voo de interiorização de imigrantes. Esse transporte começou em abril e, agora, o número de refugiados levados de Roraima para outros estados já chega a 1.098.

A partir da próxima semana, a Casa Civil espera absorver uma média de 1.600 venezuelanos por mês em três ou quatro voos semanais. Mas ainda não há informação sobre para onde eles serão levados.

Reportagem: Daiane Andrade/Thaissa Martiniuk

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*