ParanáGeral

Advogado da família de Arruda questiona inquérito da Polícia Civil

Jorge Guaranho foi indiciado pelo crime de homicídio qualificado

 Advogado da família de Arruda questiona inquérito da Polícia Civil

Foto: PCPR

O inquérito sobre a morte de Marcelo Arruda, concluído em cinco dias pela Polícia Civil do Paraná, não convenceu o advogado da família do guarda municipal e tesoureiro do PT. Para Daniel Godoy a condução foi apressada e ineficiente.

De acordo com o inquérito não existem provas de que o assassinato de Marcelo Arruda ocorreu por motivação política. Segundo a delegada-chefe da investigação, Camila Cecconello, Jorge Guaranho não foi até o local da festa com o objetivo de atirar ou provocar a morte da vítima, mas sim o acirramento de uma discussão com ofensas pessoais, envolvendo partidos políticos, provocando os disparos.

Conforme a conclusão do inquérito, Jorge Guaranho soube da festa de Arruda minutos antes de confrontar o petista. O atirador estava em um churrasco e teve acesso às imagens do circuito de segurança do salão de festas através de um amigo. A partir deste momento, ele teria ido em direção ao local com o objetivo de confrontar o petista. Uma discussão entre os dois, sobre preferências políticas, terminou com provocações e o policial bolsonarista sacou a arma, apontou para a vítima e prometeu voltar.

Jorge Guaranho foi indiciado pelo crime de homicídio qualificado por motivo torpe e por perigo comum por colocar a vida de outras pessoas em risco. A acusação consta na conclusão do inquérito apresentado a pouco pela Polícia Civil, depois de cinco dias de investigação. Uma das versões da defesa de Guaranho é que ele tenha disparado contra Arruda com o objetivo de se defender. A delegada descarta essa possibilidade.

No decorrer da semana foram ouvidas 18 pessoas, entre testemunhas e familiares das partes. Com o inquérito concluído é aberto espaço para o Ministério Público Estadual oferecer ou não denúncia contra Guaranho. O atirador permanece hospitalizado em estado grave, sedado, na UTI de um hospital de Foz do Iguaçu, sem previsão de alta. A advogada Marise Luvison informou à reportagem da BandNews que não está mais no caso. Nós por enquanto não conseguimos contato com o advogado que assumiu a defesa de Guaranhos.

Reportagem Vanessa Fontanella e Leonardo Gomes

carolina.genez

91% das obras da Ponte da Integração já estão concluídas

91% das obras da Ponte da Integração já estão concluídas

A previsão é que os trabalhos terminem em dezembro deste ano

Monkeypox: Londrina e Foz do Iguaçu confirmam primeiros casos

Monkeypox: Londrina e Foz do Iguaçu confirmam primeiros casos

Os municípios se juntam a Curitiba, Araucária, Cascavel e Maringá, que também registraram infecções

Dengue: primeiro boletim confirma 107 casos no Paraná

Dengue: primeiro boletim confirma 107 casos no Paraná

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, 19 das 22 regionais já têm casos notificados