NacionalEconomia

Advogado orienta trabalhadores para evitar golpes do saque do FGTS

Com mais dinheiro circulando, golpes envolvendo o FGTS se multiplicam

 Advogado orienta trabalhadores para evitar golpes do saque do FGTS

Foto: Ilustrativa

Os trabalhadores nascidos em janeiro já podem sacar até R$ 1 mil das contas do FGTS. Os valores ficam disponíveis até o dia 15 de dezembro e são pagos conforme o mês de nascimento do empregado. Com mais dinheiro circulando, golpes envolvendo o FGTS se multiplicam.

O advogado criminalista Bruno Correia alerta que em geral as tentativas ocorrem por meio de links com informações falsas.

Segundo a Caixa Econômica Federal, cada trabalhador poderá retirar no máximo R$ 1 mil. Todos podem consultar o valor disponível pelo app FGTS ou pelo site da Caixa. Conforme o banco, não é necessário solicitar o saque. O dinheiro vai ser disponibilizado automaticamente na conta do trabalhador no Caixa Tem. Se o beneficiário não tiver uma conta, a Caixa Econômica vai abrir uma em nome do trabalhador automaticamente. O trabalhador não é obrigado a sacar o valor. Se ele não movimentar o dinheiro até o fim do ano, a quantia volta para o saldo do FGTS.

A movimentação do valor do saque emergencial poderá, inicialmente, ser realizada por meio digital com o uso do aplicativo Caixa Tem. Após o crédito dos valores na conta poupança social digital, já será possível pagar boletos e contas ou utilizar o cartão de débito virtual e QR code para fazer compras em supermercados, padarias, farmácias e outros estabelecimentos, por meio do aplicativo.

Aqui você confere o calendário completo com as previsões de saques, conforme mês de nascimento.

Reportagem: Leonardo Gomes.

felipe.costa

Votação segue horário de Brasília em todo o país

Votação segue horário de Brasília em todo o país

Divulgação de resultados iniciará tão logo seja encerrada a votação

Bandeira verde é mantida, sem cobrança extra na energia elétrica

Bandeira verde é mantida, sem cobrança extra na energia elétrica

Conta de luz permanece sem taxas extras, além do consumo, desde abril