Apreensões de drogas no Brasil representam entre 10 e 20% do total interceptado nas fronteiras e portos

(Foto: Kelly Frizzo/BandNews Paranaguá)

Estatística apresentada pela Polícia Federal mostra que, do total de drogas enviadas para o exterior, entre 10 e 20% é apreendida nas fronteiras ou nos portos brasileiros. Para o chefe do Núcleo Especial de Polícia Marítima (Nepom) da Polícia Federal, Alessandro de Barros Vivone, o volume é considerado baixo, mas tende a aumentar com o trabalho ostensivo da polícia.

O objetivo é quebrar a base financeira das organizações criminosas. Entre janeiro e a última apreensão registrada na semana passada, mais de 10 toneladas de cocaína foram interceptadas no Porto de Paranaguá, volume avaliado em cerca de 500 milhões de dólares.

De acordo com Vivone, o aumento da produção de cocaína para exportação, o trabalho investigativo da polícia e a inovação tecnológica aplicada no combate ao tráfico contribuem para o aumento das apreensões de drogas no porto de Paranaguá.

Os portos de Roterdã, na Holanda, e o de Antuérpia, na Bélgica, são os destinos preferidos dos criminosos, porque seriam a porta de entrada para os demais países da Europa. Vivone destaca a união com a Interpol para coibir o tráfico internacional.

Em Paranaguá, o Nepom atua no patrulhamento marítimo, com ações na região portuária. As atividades do Núcleo foram apresentadas no 1º Simpósio sobre Segurança Portuária, em Paranaguá, que reuniu agentes de instituições de segurança pública federal, estadual e municipal.

Reportagem: Kelly Frizzo