Beto Richa se torna réu na Lava Jato

O ex-governador do Paraná, Beto Richa, e outras 9 pessoas se tornaram rés na Operação Lava Jato. A Justiça Federal acatou a denúncia do Ministério Público Federal relacionada às investigações da etapa batizada de Integração, que apura os crimes de organização criminosa e corrupção em contratos de pedágio paranaenses.

Segundo a denúncia, pelo menos R$ 8,4 bilhões foram desviados por meio de obras que não foram executadas e do aumento das tarifas em concessões do Anel de Integração no Paraná. De acordo com cálculo dos procuradores, cerca de R$ 35 milhões foram movimentados em propinas.

Esta denúncia envolve o núcleo político de investigados. Para os procuradores da força-tarefa, Beto e o irmão dele e ex-secretário de Logística e Infraestrutura, Pepe Richa, comandaram o esquema de propinas das rodovias federais no Paraná. O procurador da República, Diogo Castor de Mattos, explica que as investigações começaram em 2013, mas segundo ele, a corrupção ocorria desde 1997, ano em que houve a primeira apresentação comercial de obras por parte das concessionárias.

O procurador afirma que o cronograma de duplicação das rodovias era apresentado, mas não era totalmente executado.

O esquema de corrupção teria começado há 20 anos. Apesar de envolver três ex-governadores do Paraná – além de Beto Richa, Jaime Lerner e Roberto Requião (MDB) – a prescrição foi considerada para limitar a apuração na última gestão. Uma segunda denúncia também foi apresentada e aceita pela Justiça, envolvendo o grupo de empresários de concessionárias. Eles devem responder pelos crimes de corrupção e organização criminosa.

De acordo com o procurador, em 2011, já na administração de Beto Richa, houve um compromisso do governo em ajudar as concessionárias no que se chamou de “revisão amigável” dos contratos.

O ex-governador do Paraná, Beto Richa, chegou a ser preso no fim do mês passado, na etapa 58 da Lava Jato. No entanto foi solto logo na sequência, por uma decisão do Superior Tribunal de Justiça. O MPF apresentou um recurso contra a determinação de soltura. Os procuradores pedem que o recurso seja analisado pelo relator do caso ou pela 6ª Turma e que o político seja preso novamente.

Reportagem: Juliana Goss

Comments

  1. Espera-se que venha surtir efeito , pois sendo amigo de partido , de fraternidade filosófica e de negócios ,pois até agora quem cobria de escudos ….era o Dr. Moro porém este está agora fora da Lava Jato e por mais que o Diabo tenha deixado deus secretários … gostaríamos de ver pela primeira vez justiça nos corruptos de outros partidos…!

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*