Cesta básica em Curitiba é a quinta mais cara do País

A cesta básica em Curitiba é a quinta mais cara do país, custando em média R$ 506,04 no mês de junho. Apesar disso, o valor é 4,75% menor em relação ao mês anterior. O cálculo é feito pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, Dieese. Entre os produtos que tiveram maior retração no último mês estão o tomate, com -18,79%; a banana, com -9,93% e a batata, com -5,40%. Apesar do registro de queda no preço da cesta básica na capital paranaense, nos meses de abril e maio, o Dieese registrou aumentos significativos no setor de alimentos. A variação, em 12 meses, foi de 13,32%.

O economista do Dieese PR, Sandro Silva, destaca que nos meses anteriores o reajuste dos valores da cesta básica foi grande, o que em parte explica a retração neste momento.

Na lista de itens com redução de preço estão ainda o pão francês, com retração de 3,97%; a carne de primeira, com -3,26%; o leite integral, com -2,66% e a farinha de trigo, com -2,02%. No entanto, alguns destes itens já tinham sofrido altas significativas nos meses de abril e maio. A banana, por exemplo, tinha subido mais de 20% e a batata mais de 60%.

Segundo o economista do Dieese, a tendência é de que o preço da cesta básica na capital registre novas quedas.

O óleo de soja foi o produto que permaneceu com o mesmo valor no último mês. O feijão preto e o café foram os alimentos com maior aumento nos preços: 8,62% e 0,20%, respectivamente.

De acordo com o levantamento do Dieese, quem recebe um salário mínimo em Curitiba, precisou trabalhar 106 horas e 32 minutos para comprar uma cesta básica no mês de junho. Isso significa que o salário mínimo continua sendo insuficiente para suprir as necessidades básicas de uma pessoa.

A pandemia trouxe mudanças na pesquisa feita pelo Dieese, deixando de ser presencial e passando a ser feita por meio eletrônicos, como telefone e e-mail. Dezesseis capitais brasileiras participaram do levantamento. 

Reportagem: Juliana Goss