Cicloiguaçu pede que Affonso Camargo seja compartilhada entre carros e bicicletas

(Foto: divulgação/CicloIguaçu)

A Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu, a Cicloiguaçu, protocolou na Setran nesta segunda-feira uma proposta de mudança na Affonso Camargo para transformar a avenida em via compartilhada entre carros e bicicletas. Em julho deste ano houve uma colisão no local e uma pessoa morreu.

O trecho é usado como uma ligação intercampi entre universidades e por isso tem um grande fluxo de pessoas que passam pela via de bicicleta. Segundo o coordenador geral da CicloIguaçu, Fernando Rosenbaum, a proposta é que na via haja uma ciclofaixa, principalmente no trecho que conecta os eixos cicloviários da Sete de Setembro e Affonso Camargo.

Uma das principais reclamações é com relação a segurança. A CicloIguaçu alega que na região da rodoferroviária não existe infraestrutura dedicada a bicicleta, o que deixa mais complicado e inadequado o compartilhamento da via entre carros e bicicletas.

A prefeitura de Curitiba foi procurada pela reportagem da BandNews e por meio de nota afirma que há, no  Instituto de pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, o Ippuc, o Plano  de Estrutura Cicloviária da cidade.  O plano foi apresentado no dia 4 de abril, em reunião do Concitiba, o Conselho da Cidade, com a participação da CicloIguaçu.

Nesse plano, estão incluídas as pistas lentas das estruturais. Segundo a prefeitura, a Avenida Afonso Camargo é contemplada no eixo Leste, do Leste-Oeste. O plano prevê um sistema integrado por laços de conexão, que ligam, por meio de sinalização ou infraestrutura, os setores que não foram contemplados à estrutura cicloviária mais próxima. O plano prevê que a primeira etapa do plano seja aplicada nesse ano e deve ampliar em 14% a estrutura cicloviária da cidade, com a implantação de mais 28 quilômetros de ligações.

Reportagem: Felipe Harmata