ParanáGeral

Cigarros eletrônicos podem ser proibidos no Paraná

Projeto de lei prevê fim do uso, da comercialização e da importação

 Cigarros eletrônicos podem ser proibidos no Paraná

Foto: Pixabay

O uso de cigarros eletrônicos pode ser proibido no Paraná. É isso que prevê um projeto de lei em tramite na Assembleia Legislativa, que pede também o fim da comercialização, da importação ou a produção de dispositivos eletrônicos para fumar. A autoria é do deputado Doutor Batista (União). O principal argumento é de que os dispositivos emitem substâncias tóxicas e cancerígenas.

O cigarro eletrônico funciona sem a queima de tabaco e com a vaporização de uma essência em forma líquida, que pode ser ou não à base de nicotina. Diferentemente do fumo tradicional, que precisaria da combustão, o equipamento funciona à bateria.

O médico pneumologista e professor universitário, Eric Banholzer, alerta que os eletrônicos passam uma falsa impressão de não fazer mal para a saúde.

Os principais riscos são: inflamações generalizadas, crises de asma, problemas cardiovasculares e câncer de pulmão.

O projeto de lei estabelece multas de mil a dez mil reais para quem comercializar, importar, produzir, realizar propaganda ou usar cigarros eletrônicos. A Comissão de Constituição e Justiça analisa a proposta.

Reportagem: Larissa Biscaia.

felipe.costa

Renegociação com Paraguai será o maior desafio de Itaipu

Renegociação com Paraguai será o maior desafio de Itaipu

Enio Verri, novo diretor-geral da Hidrelétrica destaca Anexo C como maior desafio

BR-277: Fila aumenta viagem em 1h00 no sentido Curitiba

BR-277: Fila aumenta viagem em 1h00 no sentido Curitiba

Em Morretes, permanece a interdição parcial no quilômetro 42

BR-376: 7 quilômetros de fila em Guaratuba, no sentido Curitiba

BR-376: 7 quilômetros de fila em Guaratuba, no sentido Curitiba

Fila permanecia no trecho da Serra do Mar, no quilômetro 668

Ilha do Mel tem novo trecho liberado para banho

Ilha do Mel tem novo trecho liberado para banho

O ponto foi considerado apto aos banhistas e esportistas, conforme boletim de balneabilidade do IAT