Copel deve analisar na semana que vem a prorrogação da Tarifa Rural Noturna

(Foto: divulgação/Aen)

O Conselho de Administração da Copel poderá discutir na semana que vem o fim da Tarifa Rural Noturna. O subsídio beneficia produtores rurais desde 2010. O órgão de deliberação da companhia e a diretoria executiva vão discutir os impactos do programa no orçamento. Com os números em mãos eles devem decidir se podem, ou não, atender à solicitação do Governo do Estado para prorrogar o benefício até o fim de 2019. A próxima reunião do conselho está marcada para quarta-feira, dia 12 de dezembro. A Copel, no entanto, não confirma que o assunto será debatido nesta data. É possível que uma reunião extraordinária seja convocada para deliberar sobre o subsídio.

A Tarifa Rural Noturna oferece um desconto de 60% na tarifa para o uso de energia entre nove e meia da noite e seis horas da manhã. De acordo com a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), o programa beneficia mais de 10 mil produtores rurais. O presidente da instituição foi à Assembleia Legislativa, em novembro, pedir apoio aos deputados para tornar o desconto permanente. Um projeto de lei foi apresentado e atualmente passa pela análise das comissões.

Enquanto o projeto não é votado, o Poder Executivo interveio, pedindo à Copel que prorrogasse o programa por mais um ano. Apesar de ser sócio majoritário da companhia, o governo estadual não pode determinar uma medida como essa. A decisão final caberá ao Conselho Administrativo e à diretoria executiva da Copel. Por meio de nota, a Companhia Paranaense de Energia informou que o programa Tarifa Rural Noturna, criado em 2010, “foi prorrogado em duas oportunidades e estava previsto para ser encerrado no próximo dia 31 de dezembro”. A companhia ainda reforçou que oferece outros benefícios à categoria, como descontos na tarifa regular, subsídios para a irrigação noturna e a cobrança diferenciada do ICMS.

Reportagem: Angelo Sfair 

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*