COLUNAS

Colunistas // Mirian Gasparin

Mercado diversificado e inovação motivam novos negócios

 Curitiba atrai investimentos de empresas de TI

Foto: Ilustrativa/Pixabay

Curitiba está entre as três cidades do Brasil que mais abriram empresas de TI, segundo estimativas da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação. A cidade conta com pelo menos 15 aceleradoras e incubadoras, 14 Centros de Pesquisa e Inovação e cinco universidades tecnológicas.

Além disso, em toda a Região Metropolitana da capital, existem mais de 1.400 startups, segundo o Mapeamento das Startups Paranaenses 2020/2021. Por sua vez, dos 21 “unicórnios” brasileiros, ou seja, empresas de tecnologia avaliadas em mais de US$ 1 bilhão, três estão em Curitiba, o que mostra o forte fomento em inovação, e que está atraindo novos negócios para a cidade.

E entre os novos negócios está a catarinense Teltec Solutions, que atua há 31 anos no mercado de TI, e que está abrindo seu primeiro escritório físico em Curitiba. A iniciativa visa expandir não só o número de clientes nos setores privado e público, mas também no setor de startups. Hoje a empresa possui 800 clientes em todo o Brasil e um total de 220 colaboradores. 

Eu conversei com o diretor de Negócios da Teltec, Rafael Araújo, e ele me contou que a empresa está investindo R$ 5 milhões na abertura de novas unidades nas cidades de Recife, Cuiabá, Belo Horizonte e Curitiba, mas na avaliação do executivo, é na capital paranaense que se vê maior potencial de negócios. A justificativa é que a cidade apresenta um mercado bastante diversificado e é considerada uma das capitais mais inovadoras do Brasil.

Eu perguntei ao executivo sobre como estão os investimentos das empresas em tecnologia e uso da nuvem, e ele me disse que com a pandemia houve um grande avanço, e investir em TI, hoje, não é mais uma opção, mas sim uma obrigação.  Ou seja, com a transformação digital e o surgimento da indústria 4.0, empresas de todos os tamanhos e segmentos precisam buscar formas de modernizar seus negócios para se manterem competitivas no mercado. Nesse sentido, é necessário fazer investimento em tecnologia. Ainda segundo o executivo, adotar soluções de TI é um fator estratégico que faz com que as companhias ganhem performance operacional, otimizem os processos internos e direcionem seus serviços de acordo com as demandas do mercado.

Já a falta de componentes é um dos problemas enfrentados pelo setor de TI desde o ano passado. Como a situação não deverá se normalizar no curto prazo, o ciclo de produção e entrega se alongou, exigindo também maior planejamento.  No caso específico da Teltec, mesmo assim, a empresa deverá fechar o ano com crescimento de 8,7% no faturamento previsto em mais de R$ 200 milhões.

Confira a coluna em áudio:

Mirian Gasparin