Defesa de Edison Brittes pede que Justiça substitua prisão por medidas cautelares

(Foto: reproduçaõ/Facebook)

A defesa de Edison Brittes protocolou nesta segunda-feira (02) mais um pedido de liberdade do acusado, que é réu confesso pela morte do jogador Daniel Corrêa Freitas. O pedido foi feito à 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, que é responsável por julgar o caso. O advogado Claudio Dalledone, que represente Edison Brittes, pede que a prisão seja substituída por medidas cautelares.

Para o defensor, o acusado preenche todos os requisitos objetivos e subjetivos para responder ao processo em liberdade. Edison Brittes responde pelos crimes de homicídio qualificado pelo motivo torpe, meio cruel e outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de adolescente e coação no curso do processo. Ele é o único dos sete envolvidos na morte do jogador Daniel que segue preso.

A ação penal aguarda a decisão de pronúncia, que pode levar os sete réus a júri popular, mas por diferentes crimes. Daniel foi encontrado morto em 27 de outubro de 2018, perto de uma estrada rural da Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O corpo apresentava sinais de agressões e mutilações.

O assassino confesso diz que cometeu o crime para defender a esposa de uma tentativa de estupro, mas a tese da defesa não foi confirmada nas investigações. Além de Edison Brittes, respondem ao processo por envolvimento no crime a esposa e a filha dele, Cristiana e Allana Brittes, Ygor King, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, David Willian Vollero Silva e Evellyn Brisola Perusso.

Reportagem: Thaissa Martiniuk