Defesa de Marcelo Odebrecht pede anulação de processos

A defesa do empreiteiro Marcelo Odebrecht pediu que seja anulado o processo contra ele que também envolve o ex-presidente Lula. A ação apura o pagamento de vantagens indevidas na forma de um apartamento em São Bernardo do Campo e de um terreno para o Instituto Lula. Os advogados alegam que, como Odebrecht firmou acordo de colaboração premiada, ele pode ser beneficiado pela medida, já que superou 30 anos de condenação em processos da Lava Jato. O empreiteiro permaneceu preso cerca de dois anos e meio, quando ingressou no regime domiciliar.

Na denúncia, o Ministério Público Federal aponta que um apartamento vizinho ao de Lula teria sido adquirido pelo empresário Glaucos da Costamarques com dinheiro da Odebrecht. Na ação, também é investigada a compra de um imóvel de R$ 12 milhões que seria destinado ao Instituto Lula, mas que nunca foi entregue. Os autos já estão nas mãos da juíza Gabriela Hardt para a sentença.

Nas alegações finais de outro processo, ao relacionado ao Sítio de Atibaia, a defesa de Marcelo Odebrecht também solicitou que a acusação seja anulada, utilizando o mesmo argumento de que o empresário extrapolou os 30 anos de condenação. O ex-presidente é acusado de ter sido beneficiado por reformas no sítio que custaram cerca de R$ 1 milhão. As obras teriam sido custeadas pela Odebrecht e pela OAS. Este processo também espera a sentença da juíza Gabriela Hardt, que ainda não se posicionou com relação aos pedidos da defesa de Odebrecht.

Reportagem: Juliana Goss