Em depoimento rápido, Carli Filho assume a culpa e pede desculpas às mães das vítimas do acidente

(Foto: Felipe Harmata/ BandNews FM Curitiba)

O ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho pediu desculpas às mães dos dois rapazes mortos no acidente pelo qual ele está sendo julgado, na 2.ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba. Ele também se declarou culpado mas disse que jamais teve a intenção de matar alguém. O interrogatório dele durou menos de 20 minutos e encerrou o primeiro dia de julgamento. Ele é acusado de duplo homicídio com dolo eventual, quando a pessoa assume o risco de matar.

Esta foi a primeira vez que ele falou pessoalmente às famílias das vítimas e repetiu parte das declarações que já havia feito em um vídeo que gravou e divulgou em 2016. Carli Filho assumiu que consumiu bebida alcoólica antes de dirigir, mas disse que não saiu de casa com a intenção de matar.

Carli Filho disse que lembra do acidente todos os dias, que está arrependido, que errou e que não podia prever o que iria acontecer.

O ex-deputado também disse que nunca fez racha na vida dele e que não estava fazendo nenhum tipo de disputa naquele dia. Carli Filho também se declarou culpado.

Carli Filho não deu detalhes sobre o momento do acidente. Ele disse que não lembra de nada de quando estava dirigindo, que só se recorda de estar em um restaurante e acordar dias depois na UTI do hospital.

Na parte final do depoimento o ex-deputado disse que nunca teve a oportunidade de pedir desculpas para as mães das vítimas e que queria pedir desculpas naquele momento.

Ao deixar o Tribunal do Júri, a deputada federal Christiane Yared, mãe de uma das vítimas do acidente, voltou a falar da manifestação tardia do ex-deputado e disse não ter visto arrependimento no depoimento de Carli Filho. Ela disse que não quer vingança e sim justiça.

Carli Filho provocou um acidente de trânsito em 7 de maio de 2009 e a morte dos jovens Gilmar Rafael Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20. Depois do interrogatório, a sessão do júri popular foi interrompida, por volta das 21h20, cerca de oito horas depois de iniciada. O julgamento será retomado nesta quarta-feira (28), às 9h30