Em passagem por Curitiba, Osmar Terra diz que não vê problemas no cancelamento da exoneração de servidores da Funarte

Foto: Geraldo Bubniak/AEN

O ministro da Cidadania Osmar Terra disse que não vê problemas no cancelamento da exoneração de 19 servidores da Funarte, a Fundação Nacional de Artes. Os servidores são subordinados ao diretor do Centro das Artes Cênicas, Roberto Alvim, que recentemente fez ofensas a atriz Fernanda Montenegro, o que provocou reação da classe artística em defesa da atriz.

O grupo tinha sido dispensado no dia 4 de outubro. Mas, cinco dias depois do desligamento, o Diário Oficial da União publicou novas portarias que cancelaram as exonerações.  O ministro esteve em Curitiba nessa sexta-feira para participar da quarta Reunião dos Ministros da Cultura do BRICS.  

Segundo, Osmar Terra, a direção do Funarte não tinha novos nomes para indicar aos cargos e por isso ele manteve os funcionários atuais.  

Osmar Terra também comentou as mensagens do presidente Jair Bolsonaro divulgadas pelo deputado Alexandre Frota. No conteúdo do áudio vazado, o chefe de estado faz críticas ao ministro. O deputado, agora rompido com o governo, afirma que Osmar Terra foi uma imposição do MDB e indicação do ex-presidente Michel Temer.

Frota divulgou uma ligação que recebeu de Bolsonaro na época em que se discutia quem assumiria a pasta.

O ministro minimizou a polêmica com o presidente, negou que tenha sido indicado pelo MDB, e afirmou que Frota age dessa forma porque queria muitos cargos nessa área:

Participaram do evento em Curitiba representantes da Rússia, Índia, China e África do Sul. Por iniciativa brasileira, está sendo preparada uma carta de intenções para fortalecer a cooperação entre os países do BRICS no âmbito da economia criativa.

Segundo o ministro Osmar Terra, o turismo vai ter ganho com o programa desde que as relações bilaterais sejam melhoradas.

Um dos setores que mais cresce no mundo, a economia criativa engloba áreas que abrangem e ultrapassam a produção de bens e serviços culturais. No Brasil, segundo dados da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, o PIB Criativo representou 2,61% de toda a riqueza gerada em território nacional em 2017, o equivalente a R$ 171 bilhões. O setor gerou 837 mil postos de trabalho formais naquele ano.

O secretário de Comunicação Hudson José acredita que receber eventos como esse ajuda a consolidar o Paraná como um pólo da Cultura. 

Este ano, o Brasil está na presidência rotativa do BRICS e tem a responsabilidade de conduzir reuniões e organizar eventos oficiais. O encontro acontece no Paraná por causa da 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba, que segue até março do ano que vem e conta com a participação de artistas dos países do bloco.

Reportagem: Felipe Harmata/Angelo Sfair/Ana Flavia Silva