COLUNAS

Colunistas // Mirian Gasparin

Profissionais da economia prateada agregam mais valor às vendas

 Empresas apostam no grupo dos 60+

Foto: reprodução/Pixabay

A faixa das pessoas com mais de 60 anos cresce em ritmo acelerado. Nos últimos 10 anos, mais de 12 milhões de brasileiros ingressaram no grupo da chamada economia prateada, que hoje totaliza 28 milhões de pessoas. No Paraná, são quase 2 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, representando 16% da população do Estado. Já em Curitiba, vivem 350 mil pessoas acima dos 60 anos.

Outro ponto que chama a atenção são os recursos financeiros movimentados pelos longevos. No Brasil, este grupo de pessoas movimenta, por ano, nada menos do que R$ 1,6 trilhão. Diante desses números, o mercado já é considerado a terceira maior atividade econômica do mundo.

De olho neste segmento, muitas empresas têm lançado produtos e serviços específicos para os consumidores seniores, mas ainda existe um grande potencial a ser explorado, principalmente na área de alimentação.

E quando se fala em trabalho, várias empresas criaram programas para absorver a mão de obra dos 60+. Eu conversei com a gestora de Atração de Talentos na MRV, Patrícia Spadano, e ela me disse que a construtora lançou há dois meses o Programa 60+, que tem como meta triplicar o número de corretores autônomos com idade superior a 60 anos para parcerias de venda.

A executiva me contou que a maioria das pessoas contratadas visa complementar a sua renda, mas o principal motivo para continuar trabalhando depois da aposentadoria, é por que se sentem ativos e querem continuar produtivos e se relacionando com pessoas.

Segundo a gestora da MRV, a venda de um imóvel é um processo longo e os corretores com 60 anos ou mais, pela sua experiência de vida e maturidade, sabem se relacionar melhor com os clientes. Com isso, acabam agregando mais ao processo de venda. Patrícia me disse que a entrada de corretores da melhor idade já contribuiu para o aumento das vendas. Ela cita o exemplo de um corretor contratado, que apesar de não ter qualquer experiência na área, conseguiu vender três imóveis em menos de dois meses.

A expectativa da MRV é, até o fim deste ano, ampliar para 20 o número de corretores acima de 60 anos, no Paraná, e chegar a 400 em todo o Brasil até 2023.

Confira a coluna em áudio:

Mirian Gasparin