Estudantes desenvolvem protótipo de veículo que percorre mais de 400km com um litro de etanol

(Foto: divulgação/UTFPR)

Um projeto desenvolvido por estudantes de uma Universidade paranaense resultou em um carro que roda pelo menos 400 quilômetros com 1 litro de etanol. Isso equivale a mais ou menos a distância entre Curitiba e Maringá, no interior do Estado. O protótipo do veículo tem dois metros de comprimento, aproximadamente 40 quilos e foi construído em fibra de carbono e vidro, que são materiais mais leves e resistentes e permitem que o carro tenha um desempenho melhor em longas distâncias. O veículo começou a ser projetado em 2009 por um grupo de pelo menos 30 acadêmicos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Pato Branco, na região sudoeste do Paraná.

De acordo com o professor de engenharia mecânica e um dos coordenadores da equipe, Luiz Carlos Martinelli, para chegar aos resultados atuais foi necessário aperfeiçoar a cada ano os sistemas de transmissão e direção do veículo, fazer modificações no motor e na estrutura do protótipo.

Neste ano, a equipe, chamada de Pato a Jato, participou de duas competições de eficiência energética, com o objetivo de demonstrar a performance do protótipo em relação a distância percorrida com um mínimo de combustível. Em uma das provas, promovida por uma empresa da área petrolífera no Rio de Janeiro, o grupo atingiu o recorde de 443 quilômetros percorridos com apenas um litro de etanol.

De acordo com o professor Luiz Carlos Martinelli, as competições servem não só para reconhecimento pessoal, mas também para trocar experiências e conhecimento com outras equipes que participam das etapas.

Alunos de diversos cursos participaram da criação e das melhorias no protótipo. Marília Santos de Almeida, de 20 anos, que é estudante do curso de administração da UTFPR, explica que ficou responsável pelos recursos humanos da equipe. Ela fez a seleção de novos membros do grupo e o treinamento dos participantes.

Mesmo que não participe diretamente da construção do protótipo, ela explica que tudo que é ensinado em sala de aula é possível aplicar na prática.

Para a construção do veículo, a equipe gastou, em média, 40 mil reais e teve o apoio financeiro de patrocinadores e colaboradores. O estudante de engenharia mecânica, Mário Daniel Ely, fala da importância do trabalho em equipe e diz ainda que o diferencial do grupo é a preocupação com os detalhes de cada peça do protótipo.

Para ele, são as pequenas coisas que fazem a diferença em uma competição.

De acordo com o estudante, todo conhecimento adquirido ao longo da construção do protótipo do veículo será levado para a vida profissional. Mário Daniel Ely acredita que com essa experiência ele já sai na frente para conseguir um espaço no mercado de trabalho.

O professor Luiz Carlos Martinelli explica ainda que a ideia é desenvolver, no futuro, um veículo econômico que possa ser levado às ruas e possa ser utilizado pelos motoristas no meio urbano.

No entanto, ele explica que, por enquanto, trata-se ainda de um protótipo, que não conta com equipamentos presentes em um carro comum, como o câmbio e as marchas. Por isso, segundo ele, não há previsão para a produção em larga escala.

Nos planos da equipe Pato a Jato para 2019 estão a construção de um novo protótipo e o início dos estudos para o desenvolvimento de um motor híbrido, a combustão e elétrico.

Reportagem: Thaissa Martiniuk

(Foto: divulgação/UTFPR)

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*