ParanáGeral

Falsificador de lacres de contêineres é preso

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Curitiba e Colombo

 Falsificador de lacres de contêineres é preso

Foto: Divulgação

Responsável por falsificação de lacres utilizados em contêineres do Porto de Paranaguá é preso pela Polícia Federal. A prisão faz parte da operação Kamino que é um desdobramento da operação Enterprise de novembro de 2020, que investiga o envio de drogas, mais especificamente de cocaína, do Brasil para a Europa. Foram cumpridos em Curitiba e Colombo três mandados de busca e apreensão e um homem que falsificava os lacres dos contêineres que seriam carregados com as drogas foi preso.

Também foram apreendidas com ele lixas, ácidos e telas de serigrafia para confecção dos lacres. De acordo com a PF o esquema funcionava assim: a partir do momento que o código do contêiner e o lacre eram identificados, a droga era colocada lá por caminhoneiros da organização criminosa, que conseguiam fácil acesso ao porto para a movimentação das cargas. Com a ajuda de funcionários do porto eles paravam os caminhões próximos aos contêineres, escondiam as drogas dentro deles e depois colocavam os lacres clonados. De acordo com a polícia toda a operação era realizada de forma clandestina, sem conhecimento e nem participação da administração portuária e nem das empresas responsáveis pelas cargas.

Band News Curitiba - 96,3 FM

A BandNews Curitiba está na cidade desde 2006. A emissora caiu no gosto do curitibano e, atualmente, está entre as dez rádios mais ouvidas da cidade.

Obra da Orla de Matinhos atinge 67% de conclusão

Obra da Orla de Matinhos atinge 67% de conclusão

O investimento do governo na obra de revitalização é de R$ 500 milhões

BR-277 continua com restrições de trânsito em fevereiro

BR-277 continua com restrições de trânsito em fevereiro

O modelo será o mesmo utilizado em janeiro, com exceção do Carnaval

Mais de 1000 salvamentos são realizados nas praias do Litoral

Mais de 1000 salvamentos são realizados nas praias do Litoral

Até o momento, oito óbitos foram registrados em áreas não protegidas por guarda-vidas