Flávio Barra é transferido para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais

O presidente global da Andrade Gutierrez Energia, Flávio David Barra, foi transferido na manhã desta quinta-feira (20) da carceragem da Polícia Federal em Curitiba para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana. Ele está preso desde 28 de julho, quando foi deflagrada a 16.ª fase da Operação Lava Jato.

Nesta semana, mais dois presos – o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada e o ex-gerente da Petrobras Celso Araripe de Oliveira – foram transferidos para Pinhais.

Flavio Barra permaneceu na Polícia Federal para receber a visita da família, que já estava programada para quarta-feira (19). O executivo é suspeito de articular o pagamento de propina da Andrade Gutierrez, à qual a AG Energia pertence, para o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro.

O pedido de novas transferências para o Complexo Médico Penal foi apresentado à Justiça Federal pelo delegado Igor Romário de Paula. Ele alegou que a carceragem da Superintendência da Polícia Federal está preparada apenas para receber presos temporários ou custodiados com algum risco. O delegado diz que o espaço é limitado, o que dificulta a movimentação de presos em flagrante e de eventuais novas operações.

Agora são 18 presos investigados na Lava Jato detidos no Complexo Médico Penal, que teve uma ala cedida pela Secretaria de Estado da Segurança à Polícia Federal para a operação.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*