Curitiba

Focos do mosquito da dengue triplicam em Curitiba

Capital ganha laboratório próprio para análise de espécies de mosquitos

 Focos do mosquito da dengue triplicam em Curitiba

Foto: Hully Paiva/SMCS

O número de focos do mosquito Aedes aegypti identificado em Curitiba, desde janeiro, é três vezes maior do que o registrado em 2021. A informação foi divulgada pela Prefeitura, nesta sexta-feira (28). O mosquito transmite dengue, zyka e chikungunya.

No ano passado, os Agentes de Combate às Endemias encontraram 368 focos do mosquito. Em 2022, esse número já passou de mil e 100. A coordenadora do programa municipal de controle do Aedes, Tatiana Faraco, afirma que o aumento ainda não reflete em maior circulação da doença, em Curitiba.

No entanto, o número é um indicador de alerta. “Precisamos controlar a população de mosquitos para que não venhamos a ter um cenário de epidemia na nossa cidade”, orienta Tatiana.

LEIA TAMBÉM: Governo lança campanha nacional de combate ao mosquito da dengue

O Programa Municipal do Controle do Aedes de Curitiba ganhou um laboratório de entomologia. O investimento permite agilizar a análise de ovos, larvas e do mosquito. A identificação mais ágil dos locais em que há a presença do Aedes aegypti promete ajudar na adoção de estratégias de enfrentamento.

Foram gastos mais de R$ 23 mil em compra de novos equipamentos. O laboratório foi instalado dentro da Unidade de Zoonoses e Vetores da Secretaria Municipal da Saúde.

“Identificamos a presença de ovos nas armadilhas coletadas e já colocamos na incubara pra eclodir. Em cerca de cinco dias já teremos a larva para analisar, se der positivo para o Aedes aegypti já podemos traçar uma estratégia para a região onde os ovos foram encontrados”, conta a bióloga Tatiane Robaina.

“Sem a ajuda da incubadora ficávamos esperando as condições climáticas, o que em Curitiba é meio complicado”, completa.

LEIA TAMBÉM: Projeto paranaense ajuda a reduzir circulação do mosquito da dengue

Os agentes espalham 300 armadilhas do tipo ovitrampa em toda a cidade. Eles retornam aos locais cinco dias depois. Dentro do laboratório, o biólogo verifica a presença de ovos na armadilha, faz a contagem e o registro do local e quantidade em que foi coletado.

Armadilhas com presença de ovos vão para a incubadora. Com outros cinco dias, nova análise é feita na fase de larvas, para identificar a espécie. No local também são analisadas as larvas coletadas durante inspeções de rotina, além do próprio mosquito.

Na fase adulta, eles são recolhidos por solicitações registradas pelos moradores via 156.

Fonte: PMC

Cleverson Bravo

Curadora cria exposição acessível para deficientes visuais

Curadora cria exposição acessível para deficientes visuais

“Além da Margem” está em cartaz na biblioteca da Universidade Positivo e conta com audiodescrição

Show de Harry Styles terá ônibus gratuito na volta

Show de Harry Styles terá ônibus gratuito na volta

Espetáculo acontece neste sábado na Pedreira, veículos levarão os fãs até a Praça Tiradentes

Teatro Guaíra reapresenta Lago dos Cisnes e Lendas Brasileiras

Teatro Guaíra reapresenta Lago dos Cisnes e Lendas Brasileiras

Junto à Orquestra Sinfônica do Paraná, apresentações marcam encerramento de 2022