Governo do Paraná deve revitalizar estradas para depois entregá-las à iniciativa privada

(Foto: Arquivo ANPr)

Um novo conjunto de 1.000 quilômetros de rodovias do Paraná deve passar por obras de revitalização, incluindo duplicações, antes de ser entregue à iniciativa privada. O governo do Paraná negocia com a União a inclusão de pelo menos quatro trechos estaduais no pacote de concessão do Anel de Integração, composto por rodovias federais delegadas ao estado em 1997 para que fossem pedagiadas. Os contratos de 24 anos com as atuais concessionárias terminam em 2021.

Segundo Ratinho Júnior, a intenção é pedagiar as rodovias PR-092 (Norte Pioneiro), PR-323 e PR 445 (Noroeste), PR-280 (Sudoeste) e trechos menores, como o da PR-466 entre Guarapuava e Campo Mourão. Para isso, as estradas devem passar antes por obras de manutenção e também podem receber investimentos mais volumosos de recursos para que se tornem atraentes para a iniciativa privada. Somente na elaboração dos projetos executivos de infraestrutura o governo deve gastar R$ 45 milhões. Ratinho Júnior admite que essa seja uma estratégia para atrair empresas interessadas, mas afirma que os recursos investidos seriam compensados no momento da concessão.

O pacote de obras deve ser anunciado ainda neste mês de abril. De acordo com o governador, elas serão executadas na medida em que o Executivo tenha dinheiro em caixa.

Ratinho Júnior diz que uma das exigências para o governo federal na nova concessão é a redução da tarifa em 50%. Uma equipe de 13 integrantes do governo estadual está trabalhando no processo de transição entre os dois modelos de concessão.

Além da redução das tarifas, Ratinho Júnior diz estar negociando com o governo federal a execução do maior volume possível de duplicações nas novas estradas pedagiadas e implantação de contornos rodoviários, principalmente nas maiores cidades, como Cascavel, Londrina e Ponta Grossa. O governo do estado também indicou quatro aeroportos do Paraná no pacote de concessões aeroviárias do governo federal. São eles os terminais de Foz do Iguaçu, Londrina, Bacacheri, em Curitiba, e Afonso Pena, em São José dos Pinhais.

Reportagem: Lenise Klenk

Comments

  1. Caro moleque governador … Sua atitude é típica de pessoa que nunca trabalhou em nada a não ser como operador político … Típico também se cidadão sem a origem antiga dos pioneiros que abriram as estradas com as picaretas e enxadões … Do contrário pararia com as negociatas ditas como originárias de sua origem ” Vendilhões do Templo”