NacionalEconomia

José Mauro Coelho deixa cargo de presidente da Petrobras

Ele também renunciou ao cargo de membro do Conselho de Administração

 José Mauro Coelho deixa cargo de presidente da Petrobras

Foto: Valter Campanato – Agência Brasil

A Petrobras informou hoje (20) que José Mauro Coelho pediu demissão do cargo de presidente da empresa e renunciou ao cargo de membro do Conselho de Administração da estatal nesta manhã.

“A nomeação de um presidente interino será examinada pelo Conselho de Administração da Petrobras a partir de agora”, diz o comunicado da companhia.

Segundo o estatuto da Petrobras, o presidente interino é escolhido entre os diretores da empresa no caso de renúncia.

No dia 23 de maio, o Ministério de Minas e Energia informou que o governo federal, como acionista controlador da Petrobras, tinha decidido pela troca do presidente da estatal.

À época, o governo anunciou que José Mauro Coelho, que assumiu o cargo no dia 14 de abril, seria substituído por Caio Mário Paes de Andrade. 

O novo nome indicado pelo governo precisa ser aprovado pelo Comitê de Pessoas da Petrobras que faz a avaliação de currículo

Depois, tem que ser eleito na Assembleia Geral Ordinária da empresa.  Após essa etapa, ainda terá seu nome submetido ao Conselho de Administração da companhia, onde precisará ser aprovado.

Por Ana Cristina Campos* – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

Edição: Lílian Beraldo

angela.luvisotto

Caixa paga beneficiários de NIS de final 7

Caixa paga beneficiários de NIS de final 7

O valor médio do Bolsa Família recebido por família equivale a R$ 614,21

Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Avaliações prévias indicam que grande parte está ameaçada de extinção

Números do Concurso 2558 da Mega-Sena

Números do Concurso 2558 da Mega-Sena

Prêmio principal desta quarta-feira (25) chega a R$ 61,01 milhões

Injúria racial: representação criminal é indispensável, diz advogada

Injúria racial: representação criminal é indispensável, diz advogada

Equiparado ao racismo, o crime agora não prescreve, mas precisa ser denunciado dentro do prazo