Justiça Federal autoriza pedido de ajuda ao Líbano para localizar Luiz Abi

(Foto: Divulgação/JF-PR)

O juiz federal substituto Paulo Sergio Ribeiro, da 23.ª Vara Federal de Curitiba, determinou nesta terça-feira (21) que seja apresentado à República Libanesa um pedido de ajuda para localizar o empresário Luiz Abi Antoun, primo do ex-governador Beto Richa, do PSDB. Réu na Operação Integração, desdobramento da Lava Jato, ele saiu do Brasil em 23 de setembro de 2018, não voltou e não tem previsão de retorno. O Ministério Público Federal, que apresentou o pedido à Justiça, considera que Luiz Abi está foragido.

O juiz determina que a carta rogatória peça a localização e a citação do empresário para apresentar defesa prévia na ação penal no prazo de dez dias. Ele foi denunciado por organização criminosa e corrupção passiva. O advogado Anderson Mariano diz que vai apresentar uma procuração para ser citado em nome de Luiz Abi. Isso evitaria a suspensão do processo enquanto o pedido de auxílio estrangeiro tramita.

Uma vez citada, a defesa pode apresentar resposta à acusação e representar o réu no andamento do processo. O advogado nega que Luiz Abi esteja foragido e afirma que o endereço no Líbano já chegou a ser comprovado em outro processo. De acordo com a defesa, ele viajou para visitar a família e deu continuidade a um tratamento de saúde para um enfisema pulmonar.

Mas o médico libanês não teria mais autorizado o empresário a viajar de avião, de volta ao Brasil. Luiz Abi foi preso e depois solto na Operação Voldemort. Ele foi detido novamente em 11 de setembro do ano passado pelo Gaeco, na Operação Radio Patrulha. Na mesma ocasião, o ex-governador Beto Richa foi preso pela primeira vez. Luiz Abi voltou a ser solto por decisão do STF. O nome do primo de Beto Richa apareceu novamente em mandados de prisão temporária da Operação Integração 2, da Polícia Federal, no dia 26 de setembro.

Mas a ordem não foi cumprida porque ele havia viajado para o Líbano três dias antes, com autorização da Justiça Estadual. A Operação Integração investiga um esquema de corrupção, pagamento de propina, doações de campanha e superfaturamento dos pedágios em rodovias federais do Paraná. A ação contra Luiz Abi foi proposta pelo Ministério Público Federal em processo separado por causa da ausência do empresário.

O advogado Anderson Mariano diz que já entrou em contato com um parente do empresário para providenciar a nova procuração e afirma que ele tem interesse em se defender. Mariano já foi citado em nome do empresário em outros procedimentos.

Reportagem: Lenise Klenk