COLUNAS

Colunistas // Mirian Gasparin

Bagozzi e Jasmine vão para as mãos de grandes grupos nacionais

 Mais duas tradicionais empresas paranaenses são vendidas

Foto: Divulgação

Nos últimos cinco anos, os paranaenses viram várias de suas empresas serem vendidas para grupos de outras partes do país. Nomes de grande peso estiveram envolvidos em negociações bilionárias e, apesar de permanecerem por aqui fisicamente, deixaram de ser paranaenses. E por mais que essas movimentações injetem recursos significativos na economia do Paraná, sempre fica aquele sentimento de perda.

Esta semana mais duas tradicionais empresas paranaenses foram vendidas. Na última terça-feira foi anunciada a venda do Centro Universitário UniBagozzi, administrado pela Congregação dos Oblatos de São José, para o  Gran Cursos Online, que é uma EdTech de Brasília. E no final da tarde de ontem a Jasmine Alimentos, empresa referência em produtos orgânicos, funcionais, integrais, sem glúten, sem lactose e zero açúcar formalizou sua venda para a M. Dias Branco, que é líder nos segmentos de massas e biscoitos, e detentora das marcas Piraquê, Vitarella, Adria, Fortaleza e Isabela.

Fundada em 1990, a Jasmine nasceu pelas mãos do empresário Christophe Allain e sua esposa, Rosa, que começaram a dar os primeiros passos na empresa, quando ofereciam aos amigos alimentos macrobióticos, dos quais eram adeptos. Ao longo dos anos, o pequeno negócio se transformou numa das principais marcas do setor.  Em 2014, a empresa foi comprada pela multinacional francesa Nutrition et Santé e, neste período, cresceu mais de 30% em market share.

A M. Dias Branco considera a aquisição da Jasmine como estratégica, pois o setor de alimentos saudáveis tem uma taxa de crescimento anual estimada de 5,3% até 2025, muito acima da indústria alimentícia em geral, que prevê crescer 3,6% ao ano. Ainda segundo o diretor-presidente da M. Dias Branco, o empresário Ivens Dias Branco Júnior, a compra da Jasmine permitirá impulsionar ainda mais o crescimento das duas empresas.

Por sua vez, o CEO da Jasmine Alimentos, o executivo Rodolfo Lourenço, faz questão de destacar que os valores e os propósitos da M. Dias Branco vão ao encontro dos princípios que norteiam a atuação da marca paranaense nestes 32 anos de história. Ainda de acordo com o executivo, ao fazer parte da M. Dias Branco, a Jasmine Alimentos inaugura uma nova era, onde poderá suprir a demanda por alimentos saudáveis de qualidade premium e fortalecer a presença da marca em novas praças, com investimentos ainda maiores na área de produção e também no trade. A estimativa é que, este ano, o faturamento da Jasmine supere a casa de R$ 200 milhões.

Agora, esses movimentos de compra e venda de empresas não são exclusivos do Paraná. O número de fusões e aquisições vem subindo bastante no Brasil nos últimos anos, especialmente devido à crise econômica, que é o momento mais propício para esses tipos de transações. E o Paraná tem os mesmos potenciais de crescimento na participação de fusões e aquisições que outros estados.  Portanto, não podemos dizer que é um movimento pontual. Mesmo assim, o Paraná continua   sendo um estado importante do ponto de vista econômico e da geração de empregos.

Por fim, não se pode esquecer que uma característica local do nosso estado se sobressai, que é o fato de ainda contar com diversas empresas familiares e empresas com possibilidade de fortalecimento regional e nacional. E isso atrai o investidor estratégico e financeiro.

Confira abaixo a coluna em áudio:

Mirian Gasparin