Marcelo Odebrecht deverá depositar – a pedido da PGR – R$ 63 milhões como parte do acordo de delação premiada

 

O empreiteiro Marcelo Odebrecht deverá depositar mais R$ 63 milhões em uma conta judicial vinculada ao acordo de delação premiada. O montante foi solicitado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que enviou o pedido ao Supremo Tribunal Federal.

Segundo Dodge, o acordo entre Odebrecht e a PGR prevê que o empresário pague cerca de R$ 65 milhões a título de pena pelos crimes cometidos, mas, até o momento, ele depositou um pouco mais de R$ 2 milhões, pagos em julho de 2017. O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, será o responsável pela análise da solicitação.

O teor do pedido da procuradora não foi divulgado já que o acordo de Odebrecht é sigiloso. O cálculo sobre o valor pendente se baseia nas informações declaradas pelo empresário, que afirmou que entre 2006 e 2015 foram depositados R$ 70 milhões e 500 mil em uma conta bancária na Suíça em nome de uma empresa vinculada a ele e à esposa.

A PGR informa que uma multa de cerca de R$ 73 milhões também estava prevista no acordo, mas já foi quitada. Marcelo Odebrecht cumpre a pena em regime domiciliar com tornozeleira eletrônica em uma mansão em São Paulo. Ele foi condenado a quase 20 anos de prisão, no entanto, por conta do acordo de delação, irá cumprir apenas 10 anos.