Ministério da Segurança monitora agentes de organizações criminosas que tem a intenção de se candidatar nas eleições

(Foto: Lenise Klenk/BandNews Curitiba)

O Ministério da Segurança Pública está monitorando agentes de organizações criminosas que têm a intenção de se candidatar nas eleições deste ano. O objetivo é impedir a formação de bancadas parlamentares do tráfico de drogas. A informação foi repassada em uma coletiva de imprensa com o ministro Raul Jungmann, que visitou a Unidade de Progressão da Penitenciária Central do Estado, em Piraquara, na grande Curitiba, nesta quinta-feira (17).

Segundo ele, as equipes de inteligência concentram esforços para impugnar registros de candidatos que podem ter ligação com o crime organizado.

Jungmann visitou ainda a sede da Justiça Federal de Curitiba, em uma reunião sobre a integração do sistema judiciário e o Poder Executivo estadual. O ministro foi questionado pelos jornalistas sobre uma reclamação dos procuradores da Força Tarefa da Lava Jato no Paraná a respeito da quantidade de visitas que o ex-presidente Lula tem recebido na sede da Polícia Federal.

A contestação foi apresentada na última terça-feira (14) à Justiça Federal. O ministro afirmou que a decisão sobre a quantidade de visitas cabe à juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução penal do ex-presidente.

O superintendente da Polícia Federal no Paraná, Maurício Valeixo, também se posicionou sobre o assunto. Ele explicou que a corporação apenas cumpre as determinações da Justiça.

Valeixo comentou ainda sobre o pedido dos procuradores para que a senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, seja impedida de atuar como advogada na ação penal do ex-presidente Lula.

O ministro Raul Jungmann também anunciou a criação do Centro Regional de Inteligência do Sul que deve unificar as forças de segurança de várias esferas em ações de combate ao crime organizado.

(Foto: Lenise Klenk/BandNews Curitiba)

Reportagem: Lenise Klenk / Juliana Goss

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*