Ogier Buchi recorre contra decisão do TRE que cassou candidatura

(Foto: Narley Resende/BandNews Curitiba)

Mil e sessenta e quatro (1.064) candidaturas foram aprovadas na Justiça Eleitoral do Paraná, dos mil e duzentos e oitenta e oito (1.288) registros feitos no Estado. De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral, outros 181 nomes foram considerados aptos a concorrer e vão estar nas urnas eletrônicas, em outubro, mesmo com julgamento definitivo pendente.

Do total de candidaturas que aguardam análise, 115 aguardam julgamento e outros 62 foram indeferidos, mas aguardam análise de recurso, e 4 foram aprovados. Ainda conforme o TRE, 14 pedidos de candidaturas foram indeferidos, o que torna os candidatos inaptos ao pleito, e também houve 29 renúncias. Entre as candidaturas que não tiveram julgamento concluído, e devem ser julgadas depois das eleições, está a do ex-governador Beto Richa, do PSDB, candidato ao Senado.

A impugnação, ou contestação, foi feita pelo Ministério Público Eleitoral e partidos adversários. Os processos estão em sigilo, mas a reportagem apurou que um deles é referente à condenação de Richa por escala não autorizada em Paris em 2015 durante viagem oficial. O TRE negou tornar Richa inelegível, mas o MPE entrou com recurso. O registro, portanto, está sub judice, ou seja, o nome do candidato vai para a urna e depois será julgado.

Entre os outros casos, a chapa majoritária do PSL, partido de Jair Bolsonaro, está praticamente toda contestada no Paraná. A candidatura de Ogier Buchi, ao governo, foi indeferida pelo TRE. Por unanimidade, os magistrados do Tribunal acataram impugnação da Executiva Nacional do partido, que contestou o registro individual do próprio candidato. A ação do partido, segundo a Executiva, foi motivada por uma decisão de Bolsonaro. Ogier Buchi é o único entre os dez candidatos ao governo do Paraná que teve a candidatura indeferida. Ele declarou que vai recorrer e, por enquanto, segue autorizado a manter a campanha sub judice até decisão final do Tribunal Superior Eleitoral.

A candidata do PSL ao Senado, Roselaine Ferreira, também teve o registro indeferido. O motivo, segundo o TRE, é ausência de documentos obrigatórios ao registro. O outro candidato ao Senado do PSL, Professor Wilson Picler, desistiu de concorrer. No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é possível verificar a situação de todos os candidatos das Eleições 2018.

Reportagem: Narley Resende/Lorena Pelanda

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*