Para fugir da 2ª gasolina mais cara do mundo, motoristas apostam em GNV

 Para fugir da 2ª gasolina mais cara do mundo, motoristas apostam em GNV

Foto: Agência Brasil / Marcelo Camargo

(Foto: Agência Brasil / Marcelo Camargo)

Levantamento da empresa de consultoria Air-Inc, mostra que entre os 15 maiores produtores de petróleo, o Brasil tem a segunda gasolina mais cara do mundo e só perde para a Noruega.

Se Curitiba fosse um país, ficaria na mesma posição, já que o valor médio cobrado pelo combustível aqui é de 1 dólar e 23 cents, ou três reais e noventa e nove centavos. No Brasil, segundo o levantamento, o litro da gasolina sai por quatro reais e quarenta e dois centavos. Na Venezuela, país com o menor preço, um litro de combustível sai por menos de um centavo de dólar.

A gasolina brasileira só perde para a da Noruega, onde o preço chega a quase um dólar e noventa cents por litro, ou seis reais. A diferença é que o salário médio na Noruega é de aproximadamente 11 mil e 400 reais e a taxa de desemprego é de 2 por cento. Enquanto no Brasil, o salário médio é de dois mil e duzentos reais e a taxa de desemprego é de 12,4%.

Com os altos valores cobrados, alguns consumidores optam por instalar cilindros de Gás Natural Veicular, o GNV. Com um metro cúbico de GNV é possível rodar mais quilômetros do que com um litro de etanol ou gasolina.

De acordo com a Compagás, a rentabilidade pode chegar a 50%. Se um carro médio roda na cidade cerca de 7 quilômetros com 1 litro de álcool ou cerca de 10 quilômetros se estiver usando a gasolina, ele passará a rodar no mínimo 13 quilômetros com um metro cúbico de gás natural.

Na hora do abastecimento, há maior segurança, pois não é possível adulterar o gás natural. A advogada Vivian Henriques Amaral, que há três anos optou por instalar o GNV, afirma que a conta vale a pena.

A consumidora, porém, alerta que o preço do GNV no Paraná não é dos mais baratos, e que se subir um pouco mais já não valeria a conversão. Os carros com GNV permitem que o motorista escolha qual combustível quer usar, então se o preço subir ou o motorista quiser mais potência pode acionar uma chave que muda para gasolina ou álcool, se o carro for flex.

O gerente comercial da Compagás, Mauro Melara, garante que se os kits de GNV forem instalados em oficinas credenciadas a conversão é segura. Sobre a perda de potência, Melara garante que a tecnologia dos kits tem evoluído.

O alto preço da gasolina realmente faz com que o número de veículos com GNV aumente. Em 2015, o Paraná tinha 33.280 veículos com GNV registrados pelo Detran. Hoje são 35.055 veículos com gás natural. Além da economia por quilômetro rodado, o valor do IPVA também baixa para usuários do gás natural.

Concessionária responsável pela distribuição do gás natural no Paraná, a Compagas conta com 36 postos revendedores de GNV nas cidades de Curitiba, Campo Largo, Colombo, Paranaguá, Pinhais, Ponta Grossa e São José dos Pinhais, além de um em Londrina que comercializa o gás fornecido pela GasLocal. No Estado há 19 oficinas credenciadas pelo Inmetro para fazer a conversão.

Band News Curitiba - 96,3 FM

A BandNews Curitiba está na cidade desde 2006. A emissora caiu no gosto do curitibano e, atualmente, está entre as dez rádios mais ouvidas da cidade.

Ilha do Mel tem novo trecho liberado para banho

Ilha do Mel tem novo trecho liberado para banho

O ponto foi considerado apto aos banhistas e esportistas, conforme boletim de balneabilidade do IAT

Eleição do Rei Momo abre Carnaval de Curitiba 2023

Eleição do Rei Momo abre Carnaval de Curitiba 2023

Escolha do Cortejo Real acontece nesta sexta-feira (27), no Memorial de Curitiba

INSS: prova de vida deixa de ser obrigação dos segurados

INSS: prova de vida deixa de ser obrigação dos segurados

Agora cabe ao Instituto fazer a comprovação por meio de cruzamento de dados

Injúria racial: representação criminal é indispensável, diz advogada

Injúria racial: representação criminal é indispensável, diz advogada

Equiparado ao racismo, o crime agora não prescreve, mas precisa ser denunciado dentro do prazo