Paraná é destaque nacional em doação de órgãos

Foto: Marcelo Casal/Agência Brasil

Nos últimos 7 anos, o número de transplantes de órgãos no Paraná subiu 232%. Em 2011, foram transplantados 197 órgãos enquanto até agosto de 2018, 654 cirurgias do tipo foram realizadas. A maioria dos transplantes é de rins – foram 418 doações só neste ano. Em segundo lugar, aparece de cirurgia de fígado, com 212 procedimentos registrados. O representante comercial Nilson José Dybas está nessa estatística.

Ele fez uma cirurgia bariátrica em 2015, mas um problema com gordura no fígado fez com que ele precisasse de um transplante. E ele figura também entre os que menos esperaram por uma doação: foram 33 dias entre o diagnóstico e a cirurgia.

O sucesso da recuperação do Nilson tem muito a ver com os avanços na área de transplantes. O nefrologista do Hospital Angelina Caron – um dos centros de referência em transplantes no Paraná, Carlos Gustavo Marmanillo, destaca que as medicações para evitar a rejeição do órgão no novo organismo estão mais eficazes e que o trabalho das equipes nos hospitais é o que pode fazer a diferença para que os índices aumentem ainda mais.

No período avaliado pelo Sistema Estadual de Transplantes do Paraná, entre janeiro de 2011 e agosto de 2018, foram 821 casos de possíveis doadores notificados e 382 doações efetivadas. A recusa da família ainda é o maior impedimento para que a doação seja feita – 26% das doações não foram feitas por conta da negativa dos familiares do doador.

Por isso, a sensibilização da comunidade ainda é um desafio e o posicionamento em vida sobre o desejo de ser um doador também é importante.

No próximo dia 27 é Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos. Na data, o Hospital São Vicente, referência em cirurgias de fígado e rim, promove o I Simpósio sobre Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante. A ação conta com palestras com profissionais da área sobre o tema. A doação de órgãos após o óbito, só pode ser feita depois da morte encefálica comprovada.

Segundo o Ministério da Saúde, podem ser transplantados coração, fígado, pâncreas, rins e pulmões, além de tecidos e células, como córneas, válvulas do coração, ossos, pele, sangue, medula óssea e cartilagens.

Reportagem: Ana Flavia Silva

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*