Paraná está em alerta contra dengue

Foto: Venilton Kuchler/Arquivo ANPr

O Paraná está em alerta para novos casos de dengue. Só nos primeiros dias do ano, o Estado já registrou 129 pessoas com a doença em 33 municípios. Dois casos apresentaram sinais de alarme e um é considerado grave. A chegada do verão, com temperaturas mais altas e o clima chuvoso, propicia o acúmulo de água e o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya.

A circulação do vírus no Paraná é mais intensa no Norte, no Noroeste e na região Oeste. Em Uraí, na região norte, são 33 ocorrências registradas neste ano, no município que é considerado pequeno, com onze mil habitantes. Outro agravante é a crescente circulação do vírus da dengue tipo 2. Até o ano passado, a grande maioria dos casos registrados no Paraná, cerca de 90%, era do tipo 1. As pessoas que já são imunes ao tipo 1 ainda podem ser infectadas pela dengue do tipo 2.

Segundo a chefe do Centro Estadual de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte, a eliminação das larvas nos criadouros depende muito do empenho dos moradores, que precisam eliminar os focos de água parada.

O verão é a estação do ano que mais concentra casos de dengue no Paraná. As temperaturas mais quentes favorecem os criadouros. Os ovos geralmente são depositados em água parada e podem sobreviver por mais de um ano à espera de um clima propício para se desenvolver.

Ivana Belmonte lembra que pessoas que vão para o litoral nas férias também devem prestar atenção se há criadouros do mosquito da dengue.

Entre os criadouros mais comuns estão vasos e pratos de plantas, garrafas pet, copos plásticos, sacolas, latas e outros materiais recicláveis. Também existem outros vilões que nem sempre estão à vista, como calhas entupidas, bromélias e bandejas externas de geladeira abandonadas.

Reportagem: Lorena Pelanda