Paraná tem 52 novos casos de sarampo e chega a 368 confirmados neste ano

Foto: José Fernando Ogura/AEN

O Paraná tem 52 novos casos de sarampo confirmados em uma semana. De acordo com o boletim epidemiológico da doença divulgado nesta quinta-feira (14), o número de confirmações saltou de 316 na semana passada para 368. Itaperuçu e União da Vitória entraram para a lista de municípios com pacientes em tratamento para o sarampo.

Ainda há 631 amostras em investigação no estado. Entre as 26 cidades do Paraná com  casos confirmados, Curitiba é a que tem a maioria, de 250 pacientes. Dados da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) indicam que até o fim de outubro houve a confirmação de sarampo em 14 países, dos quais o Brasil é o que concentra o maior número.

Nos dez primeiros meses do ano, 15 pessoas morreram em decorrência da doença, 14 delas no Brasil e uma na Colômbia. Não só o número de confirmações cresce no Brasil, como também o alcance territorial da doença. Segundo o mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, são 10.429 casos confirmados da doença em 19 dos 27 estados do país. O Paraná aparece em segundo lugar no número absoluto de casos confirmados, atrás apenas de São Paulo.

Das 14 mortes por sarampo no Brasil neste ano, 13 foram no estado de São Paulo e uma em Pernambuco. O vírus do sarampo voltou a circular no Paraná após 20 anos e o principal motivo para isso ter acontecido foi uma queda expressiva na cobertura vacinal. Os últimos surtos da doença registrados em Curitiba eram de 1997, com cerca de 200 casos, e em 1998, quando 500 pessoas tiveram a doença e uma morreu. Em 2018, a região amazônica registrou um surto e neste ano, São Paulo.

No começo de agosto, a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná confirmou o primeiro registro. A vítima foi uma mulher de 41 anos, moradora de Campina Grande do Sul, na região metropolitana de Curitiba. Ela esteve em São Paulo em julho, onde possivelmente contraiu a doença. O sarampo é uma infecção viral aguda, altamente contagiosa.

A transmissão ocorre por via aérea, por meio da fala, espirro, tosse ou respiração, e pode trazer complicações como encefalite, pneumonia e meningite. Os principais sintomas de sarampo são febre alta acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo e mal-estar. Entre o terceiro e o quinto dia de infecção aparecem manchas vermelhas pelo corpo.

Reportagem: Lenise Klenk