Paraná vai inaugurar primeiro escritório de inteligência na região de fronteira

O Paraná deve receber até o final deste ano o primeiro escritório integrado de inteligência na região de fronteira. O Centro será instalado em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, e será destinado a fortalecer o combate ao tráfico de entorpecentes e armamentos. O projeto-piloto é inspirado em modelos já implantados nos Estados Unidos, depois dos ataques de 11 de setembro.

Chamado de Fusion Center, o Coordenador Geral de Combate ao Crime Organizado do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Wagner Mesquita, diz que a instalação do Centro vai permitir o compartilhamento de informações entre todas as forças de investigação do país, um gargalo que até hoje ainda não foi sanado na área de segurança.

Levando-se em conta que pelo menos 180 quilômetros de fronteira passam pelo rio Paraná e que o Lago de Itaipu tem uma extensão de 1.350 quilômetros, o município de Foz do Iguaçu é considerado pelas autoridades de segurança uma das principais portas de entrada de contrabando no Brasil. Diante dessa realidade, o Coordenador Geral de Combate ao Crime Organizado fala que a escolha da cidade para instalação do centro integrado é estratégica.

Segundo Mesquita, a intenção ainda é utilizar a estrutura do Fusion Center para articular operações conjuntas com países e municípios vizinhos.

No início, trinta e cinco pessoas devem atuar na produção de conhecimento e outras vinte pessoas devem atuar no setor de comando e controle. Segundo o coordenador-geral de combate ao crime organizado, 16 instituições trabalham na implementação do projeto, dentre elas, Polícia Federal, Agência Nacional de Inteligência (Abin) e Unidade de Inteligência Financeira (antigo Coaf).

O Fusion Center vai começar a operar até a segunda quinzena de dezembro no Parque Tecnológico de Itaipu, mas a partir de 2020 começa a construção no endereço definitivo do escritório. O projeto piloto vai receber um aporte de 3 milhões de reais da Itaipu para um período de cinco anos de operação.

Já o Fusion Center definitivo terá um custo estimado de 40 milhões de reais. O dinheiro para compra de equipamentos e construção do espaço será do BNDES. O banco ofereceu uma linha de crédito de pouco mais de um bilhão e quatrocentos milhões de dólares para municípios, estados e União, para projetos vinculados à segurança pública.

Reportagem: Thaissa Martiniuk