Paranaense cria projeto para ensinar crianças a se proteger de abuso sexual

(Foto: Arquivo pessoal)

Ensinar crianças de 4 a 12 anos como prevenir abusos sexuais. Este é o projeto “Chá de Bonecas”. Por meio de uma contação de histórias, a coordenadora, Neide Lunas, fala com meninos e meninas sobre como dizer não para toques íntimos de qualquer pessoa. A fábula, o “Coração de Coralina”, traz a história de uma menina que tem um grande coração e precisa aprender o que deixa o coração feliz e o deixa triste.

O projeto começou com uma história pessoal da Neide. Ela foi abusada na infância, e para evitar que outras crianças passassem por esta situação, decidiu criar o “Chá de Bonecas” para as meninas e o “Encontro de Heróis” para meninos. A base do trabalho é fazer com que a criança identifique um adulto de confiança, alguém com quem possa contar em uma situação de abuso.

Criado em 2016, até agora já foram atendidas mais de 1400 crianças. E o projeto expandiu para o Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro e até para fora do país, em Moçambique. Cada atendimento é feito com grupos de 45 crianças. As palestras são ministradas em escolas, igrejas, ONGs. O atendimento é de graça. Quem quiser conhecer mais da ação pode acessar a página do Facebook chadebonecasneidelunas.

Reportagem: Alexandra Fernandes

Comments

  1. Um trabalho excelente, realizado com maestria e segurança. O momento urge de trabalhos sérios que abordem e proponha um enfrentando dessa questão. Parabéns à Neide Lunas, idealizado desse trabalho tão lindo!

  2. Maravilha,gostei demais…trabalho top

  3. JANETE CRISTINA RIBEIRO Rodrigues says:

    Trabalho maravilhoso que vcs fazem,
    O senhor abençoe suas vidas , que este trabalho venha crescendo cada dia mais. Reconhecimento mais que merecido ❤😍

  4. JANETE CRISTINA RIBEIRO Rodrigues says:

    Parabéns pelo projeto que foi direcionado pelo senhor , de proteger nossas crianças, parabéns pelo reconhecimento foi mais que merecido ❤😍

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*