Passageiros que desciam de trem para Morretes ficam parados na serra depois de trem de carga descarrilar

Cerca de 1000 passageiros que tinham como destino a cidade de Morretes no litoral do Paraná ficaram parados por mais de 2 horas no meio da serra neste domingo. A composição saiu da estação ferroviária de Curitiba no horário previsto, às 8h30 da manhã. Uma hora depois o trem parou próximo a Piraquara e lá ficou até perto do meio-dia quando uma outra locomotiva chegou para fazer o reboque até Curitiba. Os passageiros foram informados que devido a um problema com um trem de carga o trem de passageiros não poderia seguir.

A viagem normalmente leva em média 3 horas e meia até Morretes. O comerciante Paulo Brito, proprietário de um restaurante em Morretes, relata que os atrasos acontecem com frequência e que espera que as empresas do transporte de cargas e de passageiros tenham um entendimento melhor para que não haja prejuízo ao comércio nem aos turistas.

A técnica em informática Sônia Aparecida da Silva, de 59 anos, lamentou o que considerou falta de planejamento da empresa que oferece o passeio.

Ela revela que o problema é recorrente e já passou pela mesma situação anteriormente.

O administrador aposentado Joel Pinheiro, 56 anos, reclamou por não poder concluir o passeio.

Em nota a Serra Verde Express que administra o serviço do passeio de trem de passageiros explica que “o trem da Serra Verde Express partiu no horário normal, às 8h30, e parou por volta de 10h30 em razão do descarrilamento do trem de carga. O trem  de passageiros ficou parado cerca de uma hora e meia e retornou a Curitiba assim que a Serra Verde Express foi notificada pela Rumo Logística de que a liberação da ferrovia poderia levar até 5 horas. Os passageiros tem direito a reembolso do valor ou remarcação dos bilhetes”.

Já a Rumo Logística, empresa que tem a concessão da ferrovia e realiza o transporte de cargas até Paranaguá, diz em nota que “o descarrilamento de um vagão de farelo de soja na manhã de ontem, domingo, próximo a estação ferroviária de Porto de Cima foi o que ocasionou a interferência na circulação do trem de passageiros. A ferrovia foi liberada no fim da tarde do mesmo dia e não houve o derramamento de carga”.

Reportagem: Fábio Kiil

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*