COLUNAS

Colunistas // Mirian Gasparin

Foto da Colunista Mirian Gasparin

77% dos consumidores preferem pagar suas compras através dessa ferramenta de pagamento

 PIX ajuda comerciantes a venderem mais

Foto: Reprodução

Os brasileiros triplicaram o uso de pagamentos pelo celular neste período de pandemia, aponta o décimo Relatório de Tendências de Meios de Pagamento da Minsait. Outro resultado interessante apresentado nesse estudo é a queda no uso do dinheiro vivo. Hoje, apenas 25% da população utiliza cédulas e moedas para pagar suas compras no comércio. Antes da pandemia, este percentual chegava a 40%.

E como vimos na coluna de negócios de ontem, com o avanço dos pagamentos digitais, os comerciantes têm diversificado as formas de recebimento. No caso específico de cartões de débito, o dinheiro plástico é utilizado por 66% dos consumidores no momento de pagar suas compras. Já 57% das pessoas preferem pagar com cartão de crédito.

E hoje eu vou falar sobre o PIX.  Lançado em novembro de 2020 pelo Banco Central como uma forma de transação bancária mais rápida, o PIX caiu no gosto dos brasileiros. Segundo dados da Confederação dos Dirigentes Lojistas, 77% dos consumidores estão optando por pagar suas compras no varejo via PIX. Só para se ter uma ideia, mais de 120 milhões de usuários, entre empresas e pessoas físicas utilizam o PIX. De acordo com o Banco Central, o número de chaves cadastradas no sistema passa de 438 milhões.

Portanto, aceitar o PIX no varejo é extremamente necessário. E o motivo é simples: já tem gente querendo pagar só com ele. Os lojistas que ainda não adotaram essa forma de pagamento, certamente estão perdendo vendas. É o mesmo caso dos cartões de crédito. Quando eles foram lançados, quem não tinha maquininha, perdia uma parte do público que simplesmente não andava com dinheiro na carteira.

E, ao contrário do que algumas pessoas imaginam, PIX não é uma sigla ou algo do gênero. Na verdade, ao criar o nome deste sistema de pagamentos instantâneos, o Banco Central quis referenciar o termo tecnológico “pixel”, que representa o menor ponto que forma uma imagem digital.

A ideia foi criar um sistema que fosse tão simples, rápido e intuitivo, como uma troca de mensagens no WhatsApp, por exemplo.

O PIX funciona 7 dias por semana e 24 horas por dia, inclusive nos domingos e feriados. São várias as vantagens e novos métodos de negociação. Afinal, pagamentos mais ágeis podem conferir descontos mais interessantes no processo de negociação. O recebimento de forma imediata também pode ser uma importante vantagem na hora de controlar o fluxo de caixa e é um ponto indispensável para as empresas que querem captar mais clientes. Segundo uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, a FGV, no Brasil existem mais celulares do que pessoas. E isso mostra o potencial de crescimento que esta modalidade de transferência tem. 

Quanto à segurança, apesar de requisitar maiores cuidados na hora de emitir uma ordem de pagamento instantâneo,o uso do Pix diminui os riscos envolvidos em pagamentos não concretizados e estornados.

Por último, existe ainda a possibilidade de fazer compras parceladas através do PIX. Mas este assunto será tema de uma nova coluna de Negócios.

Confira abaixo a coluna em áudio:

Foto da Colunista Mirian Gasparin

Mirian Gasparin