Policiais mortos em ataque em Ivaiporã são sepultados nesta segunda; PM abre Inquérito Policial Militar

Foto: divulgação/PMPR

Vão ser sepultados hoje (03) os corpos dos três policiais militares mortos na 6ª Companhia Independente, de Ivaiporã, no norte do estado. Um soldado e um oficial da corporação foram mortos por um colega que abriu fogo contra eles, na manhã deste domingo (3). Um Inquérito Policial Militar vai apurar os fatos. Todos os policiais que estavam no local no momento da tragédia devem ser ouvidos. As armas e a viatura utilizadas foram recolhidas para perícias e outros procedimentos vão ser adotados para esclarecer o que aconteceu.

Segundo informações preliminares, o soldado Lucas Santos Araújo chegava para trabalhar quando disparou contra os colegas, Luiz Antonio Abba (Abá) e Robson Alves Medina. Abba estava dentro de uma viatura e morreu na hora. Medina chegou a ser socorrido e encaminhado ao hospital, mas foi a óbito algumas horas depois. Percebendo a situação, dois outros agentes reagiram e tentaram conter o autor do ataque, mas ele saiu correndo.

Em seguida, morreu em frente às instalações. Não há confirmação sobre a causa da morte até agora: se em decorrência de algum tiro dado pelos colegas ou se ele tirou a própria vida.  Ele teria atirado também contra veículos que circulavam em uma rodovia perto da companhia. Ao menos um automóvel foi atingido e, na sequência, o soldado disparou contra os militares na viatura. O corpo do subtenente Abba (ABÁ) foi velado na sede da Igreja Assembleia de Deus, em Ivaiporã. Com 26 anos de corporação, o PM era também pastor evangélico. Deixa esposa e duas filhas.

O velório do Soldado Medina está sendo realizado na Capela Nacional, e o sepultamento deve ser feito à tarde, na cidade de Arapuã. O policial estava na corporação há 2 anos e deixa dois filhos pequenos além da esposa. O soldado responsável pelos crimes, Santos vai ser velado em Pitanga, onde a família dele mora. Em nota, a PM afirma que ele não tinha no histórico registro de transtornos psicológicos e nem de atestado médico, mas respondeu a dois procedimentos disciplinares internos recentemente.

De acordo com policiais ouvidos pela Band News FM, um dos processos teria sido aberto pelo subtenente assassinado. Em nota, a Polícia Civil afirma que a Criminalística foi acionada por causa do carro atingido enquanto circulava na rodovia. Não há notícia de civis feridos no incidente. Segundo o delegado responsável pelo caso, Gustavo Dante da Silva, por se tratar de um crime militar, as investigações devem ser conduzidas pelas equipes da PM.

Reportagem: Ana Flavia Silva/Daiane Andrade/Felipe Harmata

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*