Prédios autossuficientes produzem a própria energia

(Foto: divulgação/Copel)

O Paraná é líder no ranking de edificações autossuficientes em energia no Brasil. Dos sete empreendimentos desse tipo que existem no país, cinco estão no estado. São prédios que produzem toda a energia que consomem, sem depender da concessionária para abastecimento. Eles têm a certificação Zero Energy. O consultor em sustentabilidade Guido Petinelli, e diretor da sede da Petinelli, que recebeu a certificação, explica que o edifício tem um contrato com a Companhia Paranaense de Energia (Copel), para “devolver” a energia utilizada.

Além do prédio da Petinelli, Curitiba tem mais duas edificações certificadas. Há ainda um prédio em Tamboara, no noroeste do Estado, e outro em Londrina, na região norte. A sede do Sebrae Cuiabá, no Mato Grosso, e o empreendimento comercial Espaço, em Governador Valadares (MG), completam a relação de construções com o selo Zero Energia no país.

A certificação pode ser feita por causa da geração de energia fotovoltaica, eólica, biogás ou biomassa. Petinelli explica que o investimento para tornar o prédio autossuficiente é recuperado em média em seis anos, e que a empresa economiza cerca de R$ 12,6 por ano gerando a própria energia. Mas, além da economia financeira, a iniciativa também é sustentável.

Pensando em fomentar a produção de energia solar, nesta semana, a Copel lançou um mapa com informações sobre a incidência de raios solares no Paraná. A ferramenta permite verificar a radiação em todas as regiões do Estado, em qualquer período do ano.

Na página, é possível calcular a potência necessária estimada para a instalação do sistema fotovoltaico, de acordo com o consumo de energia e a classe de consumo – conforme o que aponta a conta de luz. Com essa informação, o usuário pode fazer um cadastro na Copel apontando o interesse de instalação dessa modalidade de energia.

O mapa foi feito em parceria com o Simepar, utilizando dados de radiação solar registrados em estações meteorológicas entre os anos de 2006 e 2016. As medições foram feitas em 100 estações em diferentes pontos do Estado. Mesmo quem gera a própria energia, deve estar conectado à rede da distribuidora. O mapa pode ser acessado no site solar.copel.com.

Reportagem: Ana Flavia Silva

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*