Ratinho Júnior diz ser “muito difícil” conceder reajuste para servidores estaduais

(Foto: Rodrigo Félix Leal/ANPr)

Ao apresentar um balanço dos primeiros meses à frente do executivo estadual, o governador Ratinho Júnior, do PSD, disse nesta segunda-feira (15) ser improvável conceder reajuste aos servidores do Estado neste ano. Segundo o governador, o Paraná está no limite prudencial e a prioridade no momento é manter o equilíbrio fiscal. Para Ratinho Júnior, a conjuntura econômica neste ano exige um sacrifício do funcionalismo, que já acumula perdas de salários congelados desde 2016.

O governador diz que o caminho será negociar uma proposta de reajuste a partir de 2020. Ratinho Júnior também afirma que a Reforma da Previdência seria indispensável para o equilíbrio das contas públicas.

No ano passado, no período pré-eleitoral, Ratinho Junior era deputado estadual quando liderou o bloco que apoiou o reajuste de 2,76% e o fim do congelamento dos salários dos servidores estaduais. A então governadora Cida Borghetti, do PP, oferecia apenas 1%. Ratinho Júnior diz que enquanto era deputado foi enganado pela informação de que o governo do estado tinha dinheiro em caixa.

O governo do estado alega ter economizado R$ 45,5 milhões no primeiro trimestre deste ano em gastos com pessoal. A conta inclui o congelamento de salários do governador, vice-governador e secretários, mudanças na hora trabalhada por pedagogos e a Reforma Administrativa, que tramita na Assembleia Legislativa e prevê a extinção de secretarias e cargos comissionados. Ratinho Junior não confirma se pretende negociar o fim das licenças-prêmio dos servidores em troca de reajuste salarial.

Reportagem: Lenise Klenk