Saiba quais são os cuidados para evitar acidentes com raios

Foto: José Fernando Ogura/ANPr

Desde o começo do verão, o número de descargas elétricas que caíram em Curitiba é 750% maior do que o mesmo período do ano passado, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe. Nos últimos 22 anos, 162 pessoas morreram por conta da incidência de raios no Paraná. O estado está em terceiro lugar no ranking nacional de mortes por raios, atrás de São Paulo e Minas Gerais.  Os casos do último fim de semana acendem um alerta para os cuidados necessários a fim de evitar problemas com este fenômeno da natureza.

De acordo com o engenheiro elétrico e membro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA-PR), Fernando Felice (FELITI), os raios são descargas elétricas de grande intensidade que conectam o solo e as nuvens de tempestade na atmosfera. A potência chega a 30 mil amperes, o que equivale a cerca de mil vezes a intensidade de um chuveiro elétrico. Para descarregar a energia no solo, o raio procura um condutor.

Segundo o Inpe, 20% das mortes por raio no Brasil aconteceram dentro de casa. Para se proteger o ideal é que a residência tenha para-raios. Além disto, é preciso evitar o uso de aparelhos eletrônicos nos momentos de tempestades. Se um raio cair na residência, o especialista orienta a desligar o disjuntor.

No sábado (2), um dos acidentes foi de uma família atingida por um cabo de alta tensão que se rompeu com um raio. Em situações como esta, a orientação é para não se aproximar da fiação e acionar o Corpo de Bombeiros.

O Brasil é o campeão mundial de descargas elétricas, com a média de pouco mais de 77 milhões ao ano e mais de dois mil acidentes fatais registrados no período de 2000 a 2017.

Reportagem: Alexandra Fernandes