Taxa de registro de financiamento de veículos será reduzida a partir do dia 1° de setembro

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A partir do dia 1° de setembro, a taxa de registro de financiamento de veículos no Paraná será reduzida de R$350,00 para R$143,63. O novo valor foi proposto pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR) em um termo enviado para as empresas credenciadas para fazer a prestação do serviço.

A proposta de desconto veio depois que o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR) identificou fraudes no edital original de cadastramento das empresas que participaram da licitação. Técnicos do órgão de controle afirmam que não havia justificativa para o preço cobrado e apontam indícios de que uma das empresas do certame foi beneficiada indevidamente.

De acordo com o diretor-geral do Detran, César Vinícius Kogut, até o momento, cinco empresas já concordaram com a mudança contratual e passam a praticar o valor estabelecido pelo órgão.

A taxa é paga quando um consumidor compra um carro novo ou usado no Paraná e financia a dívida. O valor é diluído nas parcelas do financiamento e é realizado para evitar que o comprador repasse o veículo sem conhecimento do banco financiador antes da quitação do débito.

Questionado sobre o valor de 350 reais que já foi pago por alguns consumidores, antes da mudança de valor, o diretor-geral do Detran comenta que o órgão ainda não tem uma definição sobre o assunto.

No entanto, ele esclareceu que caso comecem a surgir demandas judiciais neste sentido, o Detran vai analisar cada uma delas e tentar solucionar de maneira que beneficie o consumidor.

Conforme o novo procedimento, o montante a ser recolhido pelo Detran será de R$ 34,50 e as empresas credenciadas podem praticar o valor máximo de R$ 109,13 por chassi registrado.

Segundo o diretor administrativo do órgão, coronel João de Paula Carneiro Filho, é importante que no momento da negociação do veículo o consumidor preste atenção na porcentagem que está pagando a título da taxa de financiamento.

Conforme o Detran-PR, foram três as empresas que não aderiram ao novo preço. Uma delas, a Infosolo, responsável pelo intermédio de cerca de 95% dos financiamentos realizados nos últimos meses, manifestou, por meio de nota, preocupação com os procedimentos adotados no Estado para revisão de preço e credenciamento de novas empresas.

Para a empresa, “o aparente benefício ao consumidor pode resultar, no longo prazo, em uma alta do preço, degradação do serviço e frustração do ambiente concorrencial entre as empresas atuantes no segmento”. As outras duas empresas ainda não se manifestaram sobre a mudança apresentada pelo Governo do estado.

Reportagem: Thaissa Martiniuk e Angelo Sfair