TRF4 nega pedido de Gleisi para atuar como advogada de Lula

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que vai recorrer da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) que negou um pedido da senadora para atuar como advogada do ex-presidente Lula. A decisão desta quinta-feira foi dada em caráter liminar e o mérito ainda será analisado pela 8ª Turma do TRF4. Após ter a procuração indeferida pela 12ª Vara Federal de Execuções de Curitiba, Gleisi recorreu ao tribunal em Porto Alegre na tentativa de reaver a possibilidade de advogar para Lula.

A juíza Carolina Lebbos, em despacho, disse que havia impedimento de membro do Poder Legislativo em exercer a advocacia em favor de condenado por crimes contra a administração pública. A senadora protestou contra a decisão e alegou que a atuação dela se limitaria à defesa perante a Justiça Eleitoral, não havendo relação com a Petrobras e a operação Lava Jato.

Ao ser nomeada como advogada de Lula, a senadora poderia fazer visitas ao ex-presidente na sede da Polícia Federal em horários e dias variados e não apenas às quintas-feiras, no horário reservado aos amigos do petista. O juiz federal Nivaldo Brunoni, do TRF4, disse não ver “a urgência necessária” para acatar o pedido da senadora Gleisi Hoffmann, já que Lula tem outros advogados. Após a decisão do TRF4, a presidente do PT afirmou que vai, novamente, recorrer da determinação.

Lula está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, condenado a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso Triplex do Guarujá (SP), no âmbito da Lava Jato. Pré-candidato à presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Lula teve sua candidatura impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral.

De acordo com os magistrados, ele se enquadra na Lei Ficha Limpa, que impede a participação de candidatos condenados. A defesa recorre da decisão no próprio TSE, no Supremo e pede que a recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU), para que libere a candidatura, seja seguida.

Reportagem: Lenise Klenk

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*