NacionalServiços

Uso do medicamento Paxlovid pelo SUS vai à consulta pública

Antiviral da Pfizer teve parecer favorável da Conitec

 Uso do medicamento Paxlovid pelo SUS vai à consulta pública

Foto: wikimedia

O medicamento Paxlovid, fabricado pela farmacêutica americana Pfizer para tratamento de covid-19, avançou no processo de incorporação pelo Sistema Único de Saúde. O fármaco recebeu parecer inicial favorável da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde  (Conitec).

A decisão foi tomada durante reunião que ocorreu nessa terça-feira (12). Segundo o Ministério da Saúde, a proposta de incorporação do medicamento seguirá o fluxo normal de avaliação da Conitec e será colocada em consulta pública pelo prazo emergencial de 10 dias. Consulta pública será aberta nos próximos dias após publicação no Diário Oficial da União.

A consulta será aberta nos próximos dias após publicação no Diário Oficial da União (DOU). O público poderá participar por meio do site oficial da comissão.

O Paxlovid, composto por comprimidos de Nirmatrelvir e Ritonavir, teve o uso emergencial autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 30 de março. O fármaco é indicado para adultos com covid-19 com risco aumentado de progressão para quadros graves da doença e que não precisam de oxigênio suplementar.

Por Karine Melo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Edição: Maria Claudia

Angela Luvisotto

Caixa paga beneficiários de NIS de final 7

Caixa paga beneficiários de NIS de final 7

O valor médio do Bolsa Família recebido por família equivale a R$ 614,21

Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Estudo encontra dez novas espécies de leguminosas

Avaliações prévias indicam que grande parte está ameaçada de extinção

Números do Concurso 2558 da Mega-Sena

Números do Concurso 2558 da Mega-Sena

Prêmio principal desta quarta-feira (25) chega a R$ 61,01 milhões

Injúria racial: representação criminal é indispensável, diz advogada

Injúria racial: representação criminal é indispensável, diz advogada

Equiparado ao racismo, o crime agora não prescreve, mas precisa ser denunciado dentro do prazo