Ex-ministro, Edison Lobão, e ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, direcionavam o pagamento de propina, segundo delator da Odebrecht

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil) Ex-tesoureiro João Vaccari Neto

A delação de ex-executivos da Odebrecht revela mais detalhes sobre o suposto esquema de corrupção investigado na contratação do consórcio de empreiteiras responsável pelas obras na Usina de Belo Monte, no Pará. Segundo o delator Antonio Daiha Blando, o ex-ministro Edison Lobão e o ex-tesoureiro, João Vaccari Neto, seriam os intermediários do PMDB e do PT, respectivamente, no direcionamento das propinas.

Segundo as investigações da 49ª fase da Lava Jato, os partidos teriam recebido juntos cerca de R$ 120 milhões como vantagens indevidas das empreiteiras.

Blando é ex-diretor-superintendente da área de energia da Odebrecht e participou das reuniões realizadas junto as empresas que integraram o consórcio Norte Energia, que saiu vitorioso no leilão para a execução das obras da usina. Segundo ele, já na primeira reunião do grupo, em 2011, um representante da Andrade Gutierrez, Flávio Barra, repassou a informação de que a empreiteira tinha o compromisso de pagar o equivalente a 0,5% de cada fatura do contrato para o PT e também 0,5% para o PMDB.

Os interlocutores nesse processo seriam Edison Lobão e Vaccari. O ex-executivo da Odebrecht disse ainda que informou ao alto escalão da empresa sobre o pagamento das vantagens indevidas. O presidente do grupo, Marcelo Odebrecht, teria autorizado o repasse de valores ao PMDB que teriam sido entregues em espécie no escritório de Lobão. Ao PT os pagamentos foram negados já que, segundo Odebrecht, a companhia já tinha contribuído com o partido para a campanha de 2010.

Ainda de acordo com o delator, parte das propinas era direcionada ao “professor”, codinome usado para se referir ao ex-ministro Antônio Delfim Netto. Para os procuradores da Força Tarefa da Lava Jato, o ex-ministro teria recebido R$ 15 milhões em vantagens indevidas oriundas dos contratos firmados pelas empreiteiras para a realização das obras da usina.

O ex-executivo da Odebrecht, Antonio Daiha Blando,  é um dos 78 delatores da empresa que tiveram o acordo de colaboração homologado pelo Supremo Tribunal Federal, em janeiro do ano passado.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*