Polícia Federal afirma não ter sido notificada sobre necessidade de escolta de José Dirceu

A Polícia Federal afirma que ainda não foi notificada sobre a necessidade de escolta ao ex-ministro José Dirceu. Preso na região metropolitana de Curitiba, o petista será levado à Justiça Federal do Paraná, onde coloca uma tornozeleira eletrônica. Nesta terça (02), o ex-ministro conseguiu um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF). Para substituir a prisão preventiva, o juiz Sérgio Moro determinou que José Dirceu seja monitorado eletronicamente e aplicou outras cinco medidas cautelares. O juiz autoriza o investigado a voltar para a cidade onde mora – a princípio Vinhedo, em São Paulo – assim que colocar a tornozeleira.

O ex-ministro está proibido de deixar o município. Por determinação do juiz Sérgio Moro, José Dirceu também não pode se comunicar com outros acusados ou testemunhas da Lava Jato; deve comparecer a todos os atos do processo e todas as intimações; está proibido de deixar o Brasil; e deve entregar os passaportes à Justiça.

Preso preventivamente desde agosto de 2015, Dirceu já foi condenado duas vezes na Operação Lava Jato. O petista pode responder ainda a um terceiro processo, caso a Justiça Federal do Paraná acolha nova denúncia apresentada ontem (terça, 02) pelo Ministério Público Federal. Em primeira instância, o ex-ministro recebeu sentenças que, somadas, passam dos 32 anos de prisão.

Apesar de o STF ter concedido habeas corpus a José Dirceu, o ex-ministro deve retornar para a prisão assim que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmar em segunda instância pelo menos uma das sentenças.

Comments

  1. Manoel Rosa da Cruz says:

    Dr.Moro me indique em que país vive seu cérebro …eu nunca ouvi falar que passaporte seja dificuldade para alguém que queira fugir….santa inocência nosso judiciario….!

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*