PRF abordou 118 ônibus com manifestantes nas imediações de Curitiba; apenas um foi retido por ser clandestino

Foto: PRF

Foto: PRF

Quase 120 ônibus com manifestantes foram fiscalizados pela Polícia Rodoviária Federal entre ontem (terça, 9) e hoje (quarta, 10), nas rodovias federais que cortam o Paraná. Um deles, que trafegava pela BR-277, entre a capital e o interior do Estado, foi retido por falta de documentação e problemas no tacógrafo, e o veículo só deve ser liberado depois que a situação for resolvida. Um balanço oficial da PRF sobre o volume de abordagens feitas foi divulgado pela manhã e o policial rodoviário federal Fernando Oliveira garante que as verificações não têm cunho político, mas são realizadas sempre que há grande movimentação de pessoas pelas estradas.

O policial ressalta ainda que ninguém foi impedido de se juntar às mobilizações em Curitiba nesta quarta-feira.

Ontem, em outra abordagem na BR-277, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, facões, foices e facas de alguns manifestantes foram retidos pela PRF. Oliveira esclarece que, apesar dos boatos de que armas de fogo também foram encontradas com eles, nada disso é verdade. Apenas as ferramentas estavam no coletivo que chegava a Curitiba e, depois que os responsáveis foram identificados, todos foram liberados para participar da mobilização.

No início da manhã, cerca de 50 manifestantes fecharam a BR-476 (Estrada da Ribeira) na altura do quilômetro 103, em Bocaiúva do Sul, na Grande Curitiba. Eles queimaram pneus sobre o asfalto e houve congestionamento nos dois sentidos. A princípio, cogitou-se que o grupo também se mobilizava em apoio ao ex-presidente Lula, já que algumas pessoas empunhavam bandeiras vermelhas, mas, segundo a PRF, eram moradores da região que pediam a reinstalação das lombadas retiradas recentemente da rodovia pelo DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Em todo caso, o ato já foi encerrado e as pistas foram liberadas por volta das 10 horas.

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*