‘Caso Vrajamany’: ação entra na reta final e sentença pode ser publicada em fevereiro

Chega à reta final o processo que apura o acidente envolvendo o jovem de Cascavel que teve o braço amputado após ser atacado por um tigre no zoológico municipal. O caso é de julho de 2014, quando Vrajamany Fernandes Rocha tinha 11 anos.

O Ministério Público pede a responsabilização do pai do garoto pelo crime de lesão corporal gravíssima. A promotoria entende que Marcos Carmo Rocha foi negligente e não cumpriu com o dever de proteger a criança.

A promotora Andrea Simone Frias, responsável pelo caso, explica a decisão por pedir a condenação do pai:

De acordo com o Ministério Público, o inquérito policial e as provas anexadas ao processo apontam que Marcos Carmo Rocha incentivou o filho a brincar com os animais. Um vídeo gravado antes do acidente com o tigre mostra Vrajamany interagindo perigosamente com um leão.

O pai também desrespeitou as orientações do zoológico para manter a distância segura:

A promotora Andrea Simone Frias afirma que “não há prazer nenhum em se processar ou pedir a condenação” do pai. Ela explica que esse era o dever do Ministério Público:

A defesa de Marcos Carmo Rocha tem até o final do mês para apresentar as alegações finais. Essa é a última etapa do processo antes da publicação da sentença. O caso será decidido pelo juiz Carlos Eduardo Stella Alves, da Vara Especial de Crimes contra a Criança.

O crime de lesão corporal gravíssima tem pena prevista de dois a oito anos de prisão. O MP entende que uma condenação justa, considerando a situação e o histórico, seria de até quatro anos de prisão, o que permitiria o cumprimento em regime aberto ou semiaberto. A expectativa é de que o processo seja concluído até o final do mês que vem.

Reportagem: Angelo Sfair