EsportesParaná

Clube de vôlei solicita abertura de inquérito sobre racismo

Atletas do Tijuca Vôlei Clube ouviram imitações de macaco durante o segundo set

 Clube de vôlei solicita abertura de inquérito sobre racismo

Reprodução/Instagram

O Clube Curitiba Vôlei se pronunciou nesta terça-feira (30) sobre o caso de racismo durante a partida contra o Tijuca Vôlei Clube, na última sexta-feira (26). As centrais Dani Suco e Camily, e a levantadora Thaís, do time carioca, ouviram imitações de macaco durante o segundo set.

Por meio de nota, o Curitiba Vôlei disse que “não há espaço para preconceito” nos jogos e que estão “comprometidos a ampliar o cuidado com a experiência das atletas” visitantes. Informou também que o clube entregou gravações de vídeo e áudio para à Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos de Curitiba (DEMAFE) e solicitou a abertura de um inquérito.

Pelas redes sociais, o técnico do clube paranaense, Pedro Moska, repudiou o caso de racismo e afirmou que teria paralisado a partida se tivesse essa informação na hora. Por um vídeo nas redes sociais, a jogadora Dani Suco detalha o que ocorreu.

Na segunda-feira (29), a Confederação Brasileira de Voleibol começou a reunir informações e documentos sobre a partida para enviar ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

Em nota, a Polícia Civil afirma que está investigando o caso e “realizando diligências para esclarecer os fatos”. Testemunhas devem ser ouvidas nos próximos dias.

Informações: Mirian Villa.

Avatar

Mirian Villa

Athletico e Londrina abrem mata-mata do Paranaense no sábado (02)

Athletico e Londrina abrem mata-mata do Paranaense no sábado (02)

Furacão, Coxa, Maringá e Operário decidem as vagas à semifinal em casa

Conselho aprova mudança do nome da Arena para homenagear Petraglia

Conselho aprova mudança do nome da Arena para homenagear Petraglia

Alteração é feita no ano em que o Athletico completa 100 anos de fundação