Coincidência trágica: uma das vítimas mortas em atropelamento brutal era ex-babá da família do motorista

(Foto: João Salgado/RPC)

Uma das mulheres mortas no atropelamento registrado em Itaperuçu, na Grande Curitiba, no último fim de semana, já havia sido babá de um irmão do responsável pelo desastre. A coincidência trágica foi confirmada à BandNews por familiares de Simone Donato dos Santos.

Ela estava com a tia, Sônia Maria Souza, e as duas caminhavam em uma das calçadas da avenida Industrial, no bairro Jardim Itaú, quando foram atingidas por um carro em alta velocidade. O veículo era conduzido por Bryan Jovinski Ribas, 24 anos, que não possui carteira de habilitação, mas dirigia o automóvel de propriedade da avó supostamente embriagado, segundo testemunhas.

Inconformados, amigos e familiares das vítimas organizam um ato no próximo domingo. A iniciativa recebeu o nome de “Marcha por Justiça” e é um apelo às autoridades para que investiguem profundamente o caso e puna os responsáveis.

Sônia, que morreu, era prima de Edna Aparecida, que conversou com a reportagem e falou sobre o protesto.

Além de atropelar as mulheres, Bryan fugiu sem prestar socorro às vítimas. Em depoimento prestado no fim da manhã de ontem (25), na Delegacia de Rio Branco do Sul, também na região metropolitana, o rapaz deu a versão dele dos fatos. Ele disse que foi embora porque teve medo de ser agredido e que não havia ingerido bebida alcoólica, conforme o delegado Nasser Salmen, responsável pelas investigações.

As vítimas voltavam de uma missa quando foram atropeladas. Elas morreram antes mesmo da chegada do socorro e o delegado esclarece que a tipificação penal, ou seja, a definição de qual crime vai ser atribuído a Bryan – se homicídio culposo ou homicídio doloso com dolo eventual – ainda não está definida.

O veículo só parou quando caiu dentro de uma valeta às margens da via, a cerca de 80 metros de distância do ponto onde as vítimas foram atingidas. Por lei, em caso de acidente de trânsito, a pena para quem presta socorro pode ser reduzida.

O carro foi recolhido e levado para a Delegacia de Rio Branco do Sul. Ainda conforme a polícia, o rapaz – de 24 anos – já tem passagem por ameaça.

A manifestação pela brutalidade do acidente está marcada para domingo, às 13 horas, com concentração no local do atropelamento. A família pede apenas que as pessoas interessadas e participar compareçam vestidas com camisetas brancas ou pretas.