Decreto estabelece 65% de passageiros em horários de pico e libera feiras e lojas de conveniência sem venda de álcool

00301524
Foto: Luiz Costa/SMCS

O Governo do Estado publicou, nesta quarta-feira (01), decreto para atualizar as restrições impostas até o dia 15, na Grande Curitiba e em outras seis regionais de Saúde do Paraná, para conter o avanço da Covid-19 em 134 municípios.

O executivo afirma que a principal mudança é em relação ao transporte público. O sistema deve atender com prioridade os passageiros que trabalhem em serviços considerados essenciais. Os ônibus devem circular com até 55% da capacidade. Nos horários de pico, o decreto diz que o sistema pode operar com 65% de ocupação, das cinco às oito da manhã e das três e meia da tarde às sete e meia da noite.

Em entrevista à TV Band, o governador Ratinho Junior destacou a influência do transporte coletivo na propagação da doença.

Nesta quarta-feira (01), o Governo anunciou a habilitação de mais 27 leitos exclusivos para pacientes com a Covid-19. Sete deles de UTI no Hospital Cruz Vermelha e cinco enfermarias na Santa Casa, aqui em Curitiba. O Estado diz que, em 97 dias, foram implantados mais de dois mil leitos exclusivos para atendimento do coronavírus, aumento de cerca de 700%.

O decreto que atualiza as normas de restrição nas sete regionais mais atingidas também retira as feiras livres da lista atividades suspensas e autoriza o funcionamento das lojas conveniências dos postos de combustíveis, tanto dentro dos municípios quanto nas rodovias. No entanto, a comercialização de bebidas alcoólicas permanece vedada. As distribuidoras de bebidas também precisam ficar fechadas.

O governador avalia que características particulares da atividade econômica do Estado contribuíram para a disseminação da Covid-19 nas últimas semanas.

O decreto publicado nesta quarta-feira (01) estabelece que panificadoras, frutarias e mercearias devem se submeter às mesmas condições dos supermercados. As atividades podem ser mantidas das sete da manhã às nove da noite e permanecer fechadas aos domingos. Elas precisam operar com 30% do fluxo de clientes e não podem receber menores de 12 anos. As lojas de material de construção estão integradas ao setor da construção civil e são consideradas de atividade essencial. As clínicas de assistência veterinária e as especializadas em produção, distribuição e comercialização de medicamentos para uso veterinário têm funcionamento liberado.

Também são considerados essenciais os serviços de manutenção, assistência e comercialização de peças de veículos ou bicicleta.

O decreto desta quarta-feira (01) reforça a interrupção de cirurgias eletivas em todos os municípios, nas redes pública e privada. O Governo do Estado diz que a medida leva em consideração a necessidade de equilibrar o uso de analgésicos e relaxantes musculares. Ela não se aplica a intervenções cardiológicas, oncológicas e nefrológicas, além de exames considerados essenciais por prescrição médica.

Reportagem: Cleverson Bravo