Em depoimento, ex-presidente Lula critica modo como MPF conduz investigações da Lava Jato

(Foto: Ricardo Stucker/Instituto Lula)

Em depoimento como testemunha de defesa da senadora Gleisi Hoffmann, do PT do Paraná, o ex-presidente Lula criticou o modo como o Ministério Público acusa políticos de participação no esquema criminoso na Petrobras. Ele afirmou que os procuradores avaliam todas as indicações à diretoria da estatal como criminosas.

O depoimento foi prestado na última sexta-feira (07), na Justiça Federal em São Paulo. Gleisi Hoffmann, atual presidente do Partido dos Trabalhadores, é ré na lava jato ao lado do marido Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos petistas.

Lula foi questionado pelos procuradores sobre o contexto da indicação de Paulo Roberto Costa para a Diretoria de Abastecimento da Petrobras. Com ironia, ele chegou a dizer que “em outra encarnação vai indicar apenas pessoas ligadas ao Ministério Público”.

Durante o depoimento, o ex-presidente defendeu as indicações de aliados políticos para cargos importantes do governo. Ele argumentou que a prática é comum nos governos de vários países.

Lula foi indicado pela defesa de Gleisi Hoffmann para prestar depoimento. Ele afirmou que a senadora e o marido não participaram da escolha de Paulo Roberto Costa, que teria sido indicado pelo Partido Progressista. A Presidente do PT responde a uma ação no Superior Tribunal Federal que investiga se ela recebeu um milhão de reais do esquema da Petrobras para abastecer a campanha para o Congresso, em 2010.

Segundo a acusação do Ministério Público Federal, o dinheiro foi disponibilizado por Paulo Roberto Costa, que ocupava o cargo de Diretor de Abastecimento da Petrobras. Em contrapartida, ele teria o apoio político necessário para se manter na função.