Moro condena a 10 anos e onze meses dono de posto que deu origem à Lava Jato

O juiz Sérgio Moro condenou a dez anos e onze meses de prisão o dono do posto Torre, estabelecimento que que deu origem à operação Lava Jato. O doleiro Carlos Habib Chater é acusado dos crimes de pertinência à organização criminosa e evasão de divisas. A sentença foi publicada no sistema da Justiça Federal do Paraná nesta quinta-feira (27 de setembro).

Chater, de acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, comandava uma organização criminosa dedicada à prática de crimes financeiros, especialmente evasão de divisas, contando para tanto com várias empresas de fachada, constituídas e mantidas em nome de laranjas. Moro determinou que o doleiro se afaste da administração do posto em até 30 dias, para evitar “novas oportunidades de práticas ilegais de lavagem de dinheiro”.

Além de Chater, outras três pessoas foram condenadas. André Catão de Miranda, ex-funcionário do posto, pegou uma pena de dois anos e seis meses de reclusão em regime inicial aberto. Já Ediel Viana da Silva, ex-gerente do estabelecimento, foi sentenciado a dois anos e três meses de reclusão, também em regime incial aberto.

E, por fim, André Luis Paula dos Santos, acusado de ter transportado dinheiro para Chater, foi condenado a sete anos de prisão e o cumprimento da pena deve ser em regime inicial semiaberto. Esta ação penal estava paralisada a pelo menos dois anos. Na sentença, o juiz Sérgio Moro justificou a demora, informando que estava ocupado com casos mais urgentes na operação Lava Jato.

Reportagem: Thaissa Martiniuk

Deixe um Comentário Os comentários serão avaliados por um moderador. Comentários considerados inadequados, impróprios ou ofensivos não serão aprovados

*